Olá! ♡
|Um carinho e um desejo de feliz início de final de semana para você. 

Vamos conversar sobre o livro NOVEMBRO 9, da autora Colleen Hoover? 

Colleen Hoover ou simplesmente CoHo, é uma das autoras mais consagradas da atualidade. Autora dos livros Métrica, O Lado Feio do Amor, Talvez um dia, entre outros, a autora lançou há pouco tempo It Ends With Us, enquanto aqui no Brasil a Galera Record Lançou a poucos meses o tão esperado NOVEMBRO 9. 

Não dá para negar que a CoHo está na lista dos autores de maior sucesso no mundo, mas assim como qualquer outro autor na condição de ser humano não escapa dos escorregões e exageros na hora de construir uma história. E foi exatamente o que aconteceu com esse livro ao meu ver. Quando li Talvez um Dia e me apaixonei pela leveza do romance e pelos personagens tão "familiares" fiquei empolgado para ler o próximo lançamento, que foi divulgado no Mochilão, e agora depois de ter lido representou na verdade uma decepção para mim.

|Cada um tem a sua visão e o meu papel é expôr a minha, portanto não se prive de ler o livro caso o que você ler aqui não é o que esperava.|

Talvez você lembre logo de cara do livro UM DIA, do David Nicholls, quando souber que NOVEMBRO 9 é uma história que se passa de ano em ano na mesma data (os próprios personagens citam o livro na história), mas a única semelhança que você irá encontrar com a narrativa de Nicholls é essa, porque ao contrário dela o livro da CoHo nos prende e nos limita aos personagens e o que eles vivem todos os anos, poucas vezes expandindo expandindo para o leitor o ambiente onde a história se passa.

Tudo está concentrado no dia 9, em Fallon e Ben. Ambos se conhecem de forma inusitada e em pouco tempo desenvolve um sentimento de querer bem, de não querer se afastar e começam a se envolver. Porém, Fallon, atriz que por motivos trágicos já não exerce sua profissão como antes, está a um dia de se mudar para Nova York, mas quando a química instantânea entre ela e Ben torna-se inegável, a garota, que é filha de um ator famoso com quem não tem um bom relacionamento, começa a se sentir tentada a ficar. Servindo de inspiração para o romance do jovem escritor, Fallon decide viajar e aceita encontrar com o garoto a cada um ano no dia 9 de novembro. A partir do primeiro encontro o enredo de Ben é construído, enredo esse que de alguma forma contribuirá para os altos e baixos do relacionamento que agora está ameaçado por um segredo que pode mudar tudo para os dois.

É inegável a brilhante escrita da autora, que narra a história com uma leveza capaz de prender o leitor até que ele não sinta mais vontade de largar o livro - isso aconteceu comigo em Maybe Someday e Nunca Jamais" -, no entanto, isso nem sempre é garantia de uma história maravilhosa e cativante. Aos meus olhos, esse adjetivos não funcionam para esse livro. Primeiro porque a autora colocou drama em excesso, tornando a história extremamente irreal, o que me leva a apontar o quanto o livro está repleta de cenas forçadas, capaz de causar o sentimento contrário ao que provavelmente a autora gostaria de causar no leitor: a emoção. 

O livro tem muita tensão, característica das histórias dramáticas, mas não traz surpresa alguma, apresentando uma construção narrativa do tipo que o leitor já sabe o que virá no começo, no meio e no fim. Além disso, a rapidez dos acontecimentos, o amor instantâneo entre os personagens, a limitação dos espaços de cena (são poucas as vezes que o leitor pode se distanciar um pouco de Fallon e Ben para conhecer o que existe ao redor deles) fez história artificial demais e nada atrativa. Estamos focados em dois personagens egoístas e que não apresentou crescimento algum durante a narrativa. E por falar em crescimento, as mudanças de capítulos, que tenta levar o leitor a cada um ano mais parece uma continuação porque como já disse os personagens não evoluem e parecem ter a mesma idade do ano anterior e a história parece continuar de onde parou: parece que o sofrimento dos dois estacionaram no tempo, o problema mal resolvido do último encontro também dá a impressão de que ficou parado no tempo esperando para então ganhar continuidade um ano depois. Nesse momento me perguntei o motivo dessa quebra do tempo. Ela simplesmente não funcionou!


Fallon inicia a história com um sentimento tão pesado em relação ao pai, que a beleza dela desaparece (mesmo quando a autora tenta nos mostrar a beleza interior de uma pessoa) porque nesse momento ela é mais uma personagem insolente, vulnerável e sem cor, do que uma garota cativante. Já Ben representa aquele velho personagem ousado que chegou para mudar e levar luz para a vida da mocinha (ele ainda consegue ser mais carismático). E nesse conto de fadas moderno eu encontro uma mocinha totalmente submissa (será que isso é justificado pelo problema que ele teve?), totalmente dependente, e mesmo tendo a presença do pai e da mãe e de uma amiga que mal aparece na história - uma amizade que não me convenceu - a única pessoa que lhe trouxe uma vida melhor foi Ben. O Macho ALFA, segundo as ironias de Fallon. Por falar nisso, em dado momento presenciamos uma crítica a esses esterótipo dos personagens machistas e supervalorizados das histórias, mas ao mesmo tempo a autora escorrega e coloca sobre os nossos olhos uma garota vulnerável, que acha que sua melhora e seus problemas são resolvidos porque há um homem ali para cuidar de tudo. Resumindo, há ali na história um macho alfa. 

"Estou tonta. Tão tonta, e é tão bom... Minha mãe é louca. Burra, maluca, disparatada, e ela está errada. Por que uma garota se preocuparia em se descobrir quando nunca será capaz de se sentir tão bem um cara pode fazê-la se sentir? Beleza, agora eu é que estou sendo burra. Mas Ben está me fazendo sentir muito bem. (Pág.:81)

E talvez você diga: "Mas ela mesma reconhece no final da frase o quanto está sendo burra". Certo. Quando você ler a história vai perceber que a dependência, a submissão e vulnerabilidade não acaba por aí nem nem mesmo uma evolução com a idade dos personagens. Eles são o que são com 18 ou 23 anos. E os diálogos nada tocantes, misturados às gírias que não tem a cara dos personagens, só acentua a narrativa forçada e nada original. 

"Bonita pra cacete foram as palavras dele.E embora pareça bom demais para ser verdade (...) estou me sentindo gananciosa o bastante para querer passar o resto do dia com ele." (Pág.: 50)

A mensagem sobre a beleza, sobre você tentar enxergar o outro como ele realmente é, além das aparências, é válida. Assim como um momento surpresa, que ouso dizer foi o único momento empolgante na história, que me despertou um ar de surpresa, mesmo depois disso a história seguindo por um caminho totalmente previsível como é desde o início. 

"- As pessoas não se sentem desconfortáveis quando olham para você por causa das cicatrizes, Fallon. Ficam desconfortáveis porque você faz com que as pessoas sintam que é errado olhar para você." (Pág.:59)

NOVEMBRO 9 é um livro com uma boa proposta de enredo, embora nada original. Poderia ser uma história espetacular se dosasse a carga extrema de drama que existe no enredo e não caísse tanto na mesmice de um clichê pesado, que poderia ser melhor desenvolvido. A maioria das pessoas podem aclamar o texto, mas infelizmente para mim é contraditório e exagerado.

XOXO,
Diih.

23 comentários:

  1. Olá.
    Gostei muito da sua resenha e da sinceridade ao descrever sua opinião sobre o livro.
    Beijos.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
  2. Oi, Dih. Bela crítica, amei! Eu estou receosa para ler esse livro justamente por me lembrar Um Dia. Sei que tem pouca coisa a ver, mas eu fico muito confusa com a quebra de tempo. Nunca consigo me habituar e me situar. Espero poder ler e ter uma opinião melhor da obra.
    Beijo! http://leitoraencantada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Adorei a resenha e os livros da CoHo sempre me emocionam e surpreendem, pelo visto esse não será diferente. Gostei muito também das citações que você retirou do livro, me deu mais água na boca para devorá-lo.
    beijinhos e muito o lindo o seu blog. Seguindo aqui pra ficar por dentro das novidades e até a próxima.

    https://leiturize-se.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Diego.
    Eu me apaixonei pela autora quando li O lado feio do amor e quis logo ler outros livros dela. A sua é a primeira resenha que leio desse livro que não apreciou a história. Gostei de ver sua opinião e ver os pontos que você levantou. Ainda quero ler, mas não é uma urgência.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Amei suas críticas, como sempre muito pertinentes. Ainda não li Novembro 9, mas provavelmente lerei em breve. Já percebi que não vou curtir muito.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Di! Tudo bem? Agora fiquei na dúvida. Será que eu ia gostar de "Novembro, 9"? Hum, penso que não. Posso estar enganado. Acho que vou ter que ler o livro e tirar minha própria conclusão! rs Adorei a resenha! <3

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Diih, tudo bem?

    Eu sei que a autora é mega consagrada, mas eu ainda não li nada dela, pretendo ler em breve, mas acho melhor não começar com este hehehehehe

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Oi, Di!
    Amei sua resenha! Acho que foi a primeira um tanto negativa sobre esse livro e eu gosto muito de ver esse outro lado também.
    Eu sou muito fã da Colleen, mas não sou de ler todos os seus livros, já que nem todos me chamam atenção. E esse é um deles.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do Natal Literário
    Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias
    Participe do Sorteio de Final de Ano

    ResponderExcluir
  9. Oi, Diego! Eu aina não li nada da autora, apesar dos incontáveis elogios que leio sobre ela e seus livros. A princípio gostei da premissa de Novembro 9, isso de mostrar a vida dos personagens ao longo dos anos é interessante. Mas só funciona se ao longo desse tempo existem crescimento e mudanças (ou explicações para que os personagens permaneçam estagnados), o que parece não ter acontecido. Drama em excesso também me incomoda, dependendo da forma como é trabalhado. Gosto de me emocionar com coisas sutis, e não quando o autor parece querer forçar a barra. Ainda assim, a premissa me deixou curiosa e acho que lerei o livro em algum momento.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  10. Oi Di,
    QUE LIVRO <3
    Eu amei November,9 e confesso que chorei no final, rs.
    Fiquei imensamente envolvida com a história, não conseguia parar de ler, rs.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Siim, vamos conversar! Sobre Novembro, 9 a gente pode conversar o dia inteiro até! Como eu amei esse livro, meu deus hahaha virou o meu segundo favorito da Colleen.
    Depois de tantos anos de blog, eu continuo achando que a melhor parte de ter um blog é poder discutir sobre os livros. Dar a sua própria opinião. E ver como existem opiniões contrárias às suas, também, como as pessoas podem ter experiências diferentes com uma mesma história.
    Ao contrário de você, achei as revelações bem surpreendentes. E engraçado que ao contrário de você, também, Talvez um dia foi um dos que eu menos gostei da Colleen. Acho que eu prefiro os que carregam uma carga emocional grande e, se você for pensar na dependência, submissão e vulnerabilidade que você citou, a protagonista de O lado feio do amor também possuía todas essas características, se prendendo a um relacionamento que só a machucava. Não sei, acho que muitas pessoas são de fato dependentes e carentes, elas ~precisam de alguém pra lhe dar um empurrão, e talvez seja isso que a Colleen tenha tentado mostrar. Que você ~não deve ser dependente. Que você precisa superar suas dores sozinho, pra não acontecer que nem aconteceu com a Fallon ao descobrir o que o Ben escondia.
    Gostei muito de conferir sua opinião!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi
    pena que achou o livro exagerado, mas já vi falarem bem desse livro, só que esse não chama tanto minha atenção como os anteriores e só li um livro dela até hoje, gostei da sua sinceridade.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Eu nunca li esse livro, mas já conhecia essa capa devo ter visto em outros blogs.
    Mas então, eu amei a sua resenha. Gostei muito de ter sido um texto sincero e detalhado. Não sei se gostaria de ler esse livro no momento, mas achei o enredo interessante e poderia ler algum dia sim.
    Mil beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  14. Olá!!
    Gente que resenha maravilhosa!! Eu nunca livro, mas não por falta de vontade, alias vontade é o que não falta kkk
    Beijão,
    https://teattimee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi Diihhh
    Bela resenha, eu gosto muito da autora já li Um caso perdido, O lado feio do amor e Em busca de cinderela com certeza sem sobra de dúvida o meu preferido é Um caso perdido, caso não tenha lido de uma chance para ele quem sabe não funcione para você também...
    Realmente enfiar drama na história é o que Colleen faz, acredito que às vezes funciona e as vezes não, que pena que não foi um ótima leitura para você.
    Mesmo assim tenho vontade de ler todos os livros da autora, afinal Um caso perdido já faz eu amar a autora rsrs.
    Beijos

    Divagando Palavras
    www.divagandopalavras.com

    ResponderExcluir
  16. Oie Diih =)

    Então rs... eu gostei de Novembro,9, mas senti que ficou faltando alguma coisa sabe?

    Tipo simplesmente amo O Lado Feio do Amor, e até o momento é o melhor livro que já li da Colleen. Adorei Talvez Um Dia também. Porém aqui me incomodou um pouco não saber o que se passava na vida dos personagens quando eles estavam separados.

    Sei lá, as vezes até com quem a gente vê e conversa sempre ficamos sem assunto, imagina com uma pessoa que você só vê uma vez por ano rs...

    É um bom livro, gostei em partes e desgostei em outras, mas não é o meu favorito da Colleen =/

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  17. Estou um tempinho namorando esse livro, leio várias resenhas mais acabo sempre colocando outro livro.
    Ano que vem eu vou ler esse livro sem falta rsrs.
    Adorei a resenha. :)

    Beijinhos!
    www.auniversitaria.com

    ResponderExcluir
  18. Oi, Dihh!
    Quero muito ler Novembro, 9 pois li Um Caso Perdido da autora e gostei bastante!
    Parabéns pela sinceridade com a resenha, também não gosto quando os acontecimentos dos livros ocorrem rápido demais.
    Vou conferir o livro assim que puder, amo um clichê, rs, porém eles precisam ser bem escritos para me prender.

    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Esqueci totalmente o livro quando vi a sua foto e aquela capa de livro linda da Alice hehehe <3 :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  20. Olá!
    Me apaixonei pela CoHo deppois de ler "Um Caso Perdido" e desde então não venho me decepcionado com ela, adorei a sua resenha e os pontos que você levantou, e quando pegar o livro para ser será um expectativas um pouco menores do que quando li outros livros dela!
    Beijos!
    https://focadasnoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Oláa!
    Eu tenho anotado numa lista especial o nome da Collen Hoover para comprar e ler algo dela, mas até hoje não o fiz.. Eu tenho esse livro que compara o 9 de novembro, Um dia, mas também ainda nao li.. hahaha Bom, mas acho então que esse posso descartar se quiser começar a ler CoHo, né? Qual me indicaria para começar? :)
    beeijo

    http://lecaferouge.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Olá, Diego! Tudo bem?

    Sua resenha é a segunda que leio hoje e a segunda que traz uma opinião negativa sobre essa obra em especial. Ainda não li nada da autora, mas pretendo começar por "O Lado Feio do Amor".
    Enfim, é tão ruim quando tudo parece um pouco forçado, não é?

    Uma ótima semana. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"