Há poucos dias estávamos festejando a chegada do novo ano, com muita festa, brindes, família e reunião de amigos. Um novo tempo começou e já estamos a 15 dias dele, mas você já parou pra pensar o que mudou? O que você gostaria de mudar? Já parou pra pensar sobre o que você quer para esse ano?

Vai ano, vem ano e parece que a única referência que marca isso é a última da data antes do recomeço representado pelo número 1. Aquele momento em que estamos para começar um novo jogo, o início da primeira de longas partidas que enfrentaremos nos próximos 365 dias. Porém, no início tudo parece muito tranquilo, os obstáculos são raros, mas eles estão apenas escondidos só esperando para tomar a cena. E não é por isso que nós, jogadores, vamos desistir de jogar, é? É preciso parar para pensar nas estratégias do jogo e seguir em frente. Caindo, levantando, mas fazendo valer a ideia de que chegamos a um ano novo e por isso temos por obrigação nos presentear com novas metas, novas ambições, além de renovar nossa força para as novas batalhas. 

Você já traçou suas metas e já fez sua primeira jogada?

Para cada ano eu escrevo uma palavra e guardo, decretando que essa é a palavra cujo sentido é o que vai movimentar meu novo ano. E para 2017 eu escolhi NOVIDADE. Cada um conhece suas necessidades e sabe do que deseja para si. Eu quero e estou em busca de coisas novas, e vocês? 

A gente começa o ano criando metas de leituras, de quantos livros vamos ler em cada mês e quais. Que tal organizar uma meta para a vida também? Sei que muita gente já faz isso, mas também sei que há pessoas que vivem no ritmo "deixa a vida me levar". Pode parecer clichê, algo como auto-ajuda, mas da mesma forma que sinto necessidade de ler palavras de incentivo eu tenho muito prazer em escrevê-las também. Então responda para você mesmo: O que você tem planejado para esse ano? Que lugares você deseja conhecer? O que você gostaria de aprender de novo? Em que âmbito da vida você deseja se desafiar?

Temos uma chance para fazer diferente e compensar o erro todos os dias, bem como temos o prazer de comemorar os acertos. Os acertos nos atiçam a querer mais, logo fabricamos novos sonhos para correr atrás; enquanto o erro atiça nossa vaidade e nos impulsiona a querer mostrar a nós mesmos o quanto podemos vencer, o quanto podemos ser melhor. Aproveitar essas duas vertentes é ser inteligente e uma pessoa inteligente tem planos, é ambiciosa. Que tal focar num grande projeto e lutar o melhor que você pode para realizar o que deseja?

A gente sabe que não é fácil, né! Eu já tentei desistir de tudo tantas vezes: o blog eu já quis apagar, a faculdade eu já quis largar, quando trabalhava quis mudar de emprego várias vezes. Como bom aquariano que sou só queria voar e fazer uma coisa diferente todos os dias. E não poder fazer isso muitas vezes foi desesperador. Mas então eu descobri que eu não poderia voar, mudar de emprego todos os dias, largar a faculdade e abandonar meu cantinho virtual, no entanto eu poderia fazer do meu trabalho um lugar melhor, reorganizar minhas táticas de estudo e dar uma cara nova ao blog. Eu descobri que para cada coisa que faço, quando elas simplesmente parecem chatas demais, eu posso vesti-la com uma roupa nova, escrever esse capítulo da vida de forma diferente. Você nem sempre pode mudar o que tem ao seu redor, mas você pode trocar as coisas de lugar e substituir outras.

NOVIDADES é a palavra de ordem para minha vida esse ano. E eu já comecei: ao invés de pedir pizza de calabresa (eu só pedia desse sabor) eu pedi uma de sabor suprema; ao invés de comer no Mc Donald, eu encarei a Burger King (e agora tenho certeza que sou team MC). Eu decidi que vou ler mais o que quero, postar fotos quando quero, me dedicar a fazer coisas como pintar e treinar caligrafias decorativas (coisas que eu fazia quanto tinha 15 anos e de repente parei), entre outras coisas. Quero ir mais a festas, conhecer mais pessoas, ousar mais, relaxar mais. E não para por aí. 

EU QUERO NOVIDADES para mim e para vocês. Portanto, se ainda não listou o que desejam e o que não desejam para esse ano ainda é tempo. Na verdade é sempre tempo de tentar fazer as coisas valerem a pena. É sempre tempo de inovar. 

XOXO,



Um Chá, uma leitura e Harlan Coben para hoje.

O Medo Mais Profundo, do autor aclamado Harlan Coben, foio último livro do autor,publicado pela Arqueira no ano passado e traz um personagem famoso nos livros de Coben, o Myron Bolitar. O personagem é famoso, faz sucesso nos outros livros, porém em O Medo Mais Profundo o personagem e o autor não me convenceu.

A última pessoa no mundo que Myron Bolitar quer rever é Emily Downing, sua antiga namorada, a primeira com quem o rapaz assumiu um relacionamento sério, mas Emily o deixou para ficar com seu maior adversário. Foi doloroso para Bolitar. Por isso é uma grande surpresa quando ele recebe um telefonema da ex namorada, anos depois, pedindo ajuda para seu filho de 13 anos, o menino Jeremy, que corre o risco de morrer caso não receba um transplante de medula óssea. O grande problema é que o doador sumiu misteriosamente e não deixou rastros; a grande surpresa é que o garoto é filho de Myron. Assombrado com a notícia o ex jogador corre contra o tempo numa busca desesperada pelo doador. No entanto, Bolitar percebe que encontrar o doador vai desencadear uma série de segredos e um mistério sombrio que que envolve uma família inescrupulosa, uma série de sequestros e um jornalista em desgraça. E é nesse caos que a história se desenvolve com a luta de Mayron para descobrir, acima de tudo, uma forma de não perder o filho com quem nunca teve a chance de conviver. 

Com uma premissa que promete nos envolver numa trama instigante e de tirar o fôlego, O Medo mais profundo traz no seu enredo a fórmula de escrita impecável de Coben, cheia de diálogos, personagens que não são perfeitos, além dos diálogos inteligentes que eu sempre destaco nas minhas resenhas. Mesmo assim o livro não traz o mesmo brilhantismo de outras histórias que li do autor.

Myron Bolitar não é nenhum personagem novo, provavelmente já fez sucesso nas ouras histórias, mas não me convenceu nesse livro. Talvez pelo simples fato de que esse livro é o sétimo de uma série de livros, que vem sendo publicado aqui no Brasil. O Myron que encontrei aqui parece um no início do livro e outro no final, quando apresenta uma alma mais jovial, humorada, sarcástica, diferente do início, um homem sério e de alguma forma não bem humorado. Mas para isso talvez a justificativa seja uma: isso depende da ordem com a qual você vai ler o livro. Óbvio que muitas coisas aconteceram desde a primeira vez em que o personagem apareceu e talvez o estranhamento que tive seja por conta disso.

O personagem vai atrás de pistas junto aos seus amigos e antigos contatos, bem como seus sócios de um empresa de agenciamento esportivo, que abriu depois que descobriu que não poderia mais jogar basquete. Ele segue em busca de pistas para saber onde está o doador de medula óssea. Nessa corrida contra o tempo e na tentativa de descobrir quem é esse homem, Bolitar acaba tendo que deixar a emoção de lado para agir com a razão a fim de não perder tempo e conseguir salvar o garoto que ele acabou de descobrir que é seu filho. E por falar em emoção, o  tema central do livro é a paternidade, mas a construção da história não traz emoção alguma em relação a isso: o pai raramente encontra o filho de 13 anos, o contato é mínimo. E entre Myron e o próprio pai acontece o mesmo, porém também não emociona.

O medo mais profundo tem um enredo que não empolga, não traz as reviravoltas de tirar o fôlego que se pode imaginar ao ler a sinopse. As descobertas das pistas e raciocínio também não me convenceram, parece que caíram de paraquedas para desenvolver os casos e apresentar as soluções. Por isso, segue uma dica: leiam os livros em ordem e o resultado da leitura pode ser menos negativa. 

Segue a lista com os livros da série na ordem de leitura:

☆ Quebra de Confiança (Arqueiro, 2011)
☆ Jogada Mortal (Arqueiro, 2012)
☆ Sem Deixar Rastros (Arqueiro, 2012)
☆ O Preço da Vitória (Arqueiro, 2013)
☆ Um Passo em Falso (Arqueiro, 2014)
☆ Detalhe Final (Arqueiro, 2015)
☆ O Medo Mais Profundo (Arqueiro, 2016)
☆ A Promessa (Arx Editora, 2008)
☆ Quando Ela se Foi (Arqueiro, 2011)
☆ Alta Tensão (Arqueiro, 2011)

Boas Leituras.
XOXO,
 ♥



Parece unanime: todo leitor (se não todos a maioria) gosta de papelaria, estou certo? Post-its, marcadores, agendas, planners, entre outros objetos especiais que não só servem para marcar nossas leituras, mas também para organizar nosso cantinho. Eu sou um apaixonado e meu quarto tem um pouco de cada coisa. E como eu sempre posto foto no instagram com vários objetos e os leitores perguntam onde compro decidi escrever um post indicando algumas lojinhas das quais eu já sou cliente, ou ganhei algum presente dela, e até aquelas que meus amigos já compraram e garantem a qualidade do produto.

|PARA VISITAR O PERFIL DA LOJA BASTA CLICAR NA IMAGEM|

Meg & Meg 


- A Meg & Meg é uma loja que eu adoro e que além de produzirem coisas lindas tem uma equipe super animada e estilosa. Uma das coisas mais lindas e que mais chama atenção na loja são os planners (#megplanner) tão bem produzidos e de qualidade. 

Scrapolando 


- A Scrapolando também é só fofura e além de planners, vendem clips para marcar página todos decorados: tem formato de nuvem, de rosas, cupcakes, arco-íris, entre outros modelos e produtos de papelaria.Parece um sonho essa loja. 

Preteliê


- Eu que sou apaixonado por objetos artesanais encontrei na Preteliê a junção de duas coisas que adoro: coisas feitas à mão e caderninhos (Sketchbooks, Journals), além de bloquinhos para anotações. A costuma é muito bem feita, os tecidos decorativos são encantantes também e você ainda pode escolher se deseja o caderno com ou sem pauta, entre outras coisas que você pode definir durante a sua compra. 

Ateliê Dona Rita 


- No ateliê da Dona Rita você encontra Planners também, mas com um diferencial: você escolhe o tema que quiser e ainda terá ele personalizado com seu nome. Eles tem um trabalho de encadernação lindo, e também vendem cadernos, agendas, Kits de Jounals, álbuns artesanais, etc. 

Loja Entre Páginas


- A lojinha Entre Páginas é da Ana Luiza, dona do Blog Entre Páginas. A lojinha disponibiliza marcadores lindíssimos, com modelos e temas especiais e diversificados. É cada um mais fofo que outro. São vários modelos e estilos de marcadores para você escolher e comprar por um preço muito acessível. 

Donna Dolce


- A Donna Dolce é outra perdição que junta papelaria, estilo, beleza e qualidade num lugar só. Tem Planner semanal, adesivos, livro de aventuras, daily journals, Scrapbooks, roupas e acessórios, entre outros produtos. É muita lindeza!

Amo Fofurices


- A Amo Fofurices é uma lojinha que fica aqui em Salvador, mas que vendo para todo o Brasil, e como o nome já diz só tem fofurices. São objetos diferentes, criativos para não deixar a desejar a nenhum louco por canetas como eu - inclusive quem já recebeu cartinha minha elas são escritas com as canetinhas da loja. Você encontra cadernos, bloquinhos de anotação, estojos, ,etc. 

La Papeterie


- A La Papeterie é uma lojinha delicada e única, que vende além de bloquinhos de anotação e post-its, marcadores e adesivos, também encanta o cliente com porta-recados, painéis de fotos e lapiseiras. É realmente tudo muito delicado, lindo e de qualidade.  

Minimalices 


- A Minimalices é a lojinha das Alices e anda conta com uma visita de um cão lindo chamado Teodoro. A lojinha segue os passos das  demais lojas e vende coisas fofas, diferentes, desde canetas e post-its, até clipes decorativos, estojos e adesivos, entre outros produtos de papelaria. Opção é o que não falta.

Sereia de Papel


- E por último, mas não menos linda e de qualidade tem a Sereia de papel, que é uma lojinha da menina Maidy, do instagram @Dearmaidy. É uma lojinha bem linda, bem sereia, que também produz planners lindo, também traz marcadores criativos e muito interessantes, entre outros produtos de papelaria. É minha lojinha Crush ♥

Há uma quantidade imensa de lojas, que vendem coisas lindas, criativas, especiais além dessas que apresentei para vocês. Mas como disse, as que citei aqui eu já conheço tanto por já ter experiência de compra, quanto por já ter ganhado presentes de amigos que vieram dessas lojas. Além disso é preciso avaliar o atendimento também e todas essas lojas atendem muito bem. Eu costumo comprar na "arte em papel" (essa só tem aqui em Salvador) e Imaginarium. 

Divirtam-se com as comprinhas e apaixonem-se.  

XOXO,
Diih


Ano passado para minha surpresa cheguei a marca de 57 livros lidos e isso para mim é algo impressionante. Primeiro porque eu nunca li tantos livros assim em apenas um ano, depois porque vivi um ritmo insano na faculdade - fiz dois semestres em um só -, precisei dar conta de provas e trabalhos, precisei dar conta das parcerias, da vida social, do perfil no instagram e aqui do Blog também. Sendo assim, o primeiro troféu é meu. E os próximos vocês podem acompanhar a seguir.

|O troféu literário foi criado pela Nádia, do blog Além do Livro, e pela Ká, do Cotidiano Aleatório, uma forma de fazer uma retrospectiva das leituras mais marcantes, as mais chatas, especiais, mais impactantes, etc., do ano.|

MELHORES E PIORES:


|O melhor livro: "O ano em que te conheci", da Cecelia Ahern, foi uma leitura apaixonante, me impactou muito e me fez refletir muito também. Terminei de ler e me senti alguém melhor.
|O Pior Livro: "O Quarto dia", da Sarah Lotz, foi uma experiência péssima de leitura. 
|O livro com a melhor capa: São muitas opções, inclusive a capa de O ano em que te conheci seria uma forte candidata, mas para não repetir escolhi minha segunda preferida, que é a capa de "Na Estrada Jellicoe".
|O livro com a Pior Capa: "Não fale com estranhos". Não gosto da maioria das capas dos livros de Harlan Coben. 
|O livro que rendeu a melhor adaptação cinematográfica: "Como eu era antes de você" foi uma adaptação agradável e a única que assisti ano passado. Para quem leu o livro acho que valeu muito, 
mas talvez que não leu se sentiu um pouco vazio ou perdido. 


|O livro que rendeu a pior adaptação cinematográfica: Alice Através do Espelho. Eu como fã incondicional das obras de Lewis Carroll, amante declarado de Alice me decepcionei um tanto com a adaptação que nem considero adaptação, isso está mais para uma releitura do conto. 
|O título mais genial: O Céu Noturno em minha mente, da SarahHammond. Além de ter um título impactante, tem uma história linda e muito cativante.
|O título mais nada a ver: Magônia, Maria Dahvana Headley. Na verdade não é que o nome seja "nada a ver" com a história, mas ele é muito estranho. Escolhi ele porque não lembro de algum título que não fosse coerente com a história. 
|O Melhor Enredo: Mr. Mercedes, de Stephen King. Não só ele, mas também "Achados e perdidos" e o último livro da trilogia, mas não se encaixa aqui porque só comecei a ler esse ano.
|O Pior Enredo: A Sereia, da Kiera Kass. Achei o enredo muito vazio, com muitas explicações rasas. 

OS QUERIDINHOS


|O meu personagem queridinho: Millie Bird, de Achados e Perdidos, livro da autora Brook Davis. A criança além de inteligente é muito fofa, do tipo que você gostaria de trazer para a realidade. 
|O personagem que me deu nos nervos: A Connie, esposa de Petersen, do livro Nós, do David Nicholls (meu amadinho) Que mulher péssima, viu. Foi criada para ser odiada, não tenho dúcida. 
|O Meu Casal Queridinho: Vocês já devem saber que o meu casal queridinho da vida é Dexter e Emma de UM DIA, né? Pois bem! Mas tirando eles dois, quero que vocês saibam que eu shippei até o fim Sidney e Ridgie, do livro TALVEZ UM DIA, da Colleen Hoover.
|O Casal Que me Fez Querer Vomitar: Fallon e Ben, de Novembro 9, da Colleen Hoover.
|O Personagem Coadjuvante que roubou a cena: Jerome, do livro Mr. Mercedes, de Stephen King. Fisicamente ele é descrito como um rapaz negro (que eu ADORO) e bonito, mas não é só isso. O rapaz é inteligente, bonito e muito carismático.
|O personagem Coadjuvante que eu mataria: A Rachel, de Bridget Jones - No Limite da Razão", com o perdão da palavra é uma vaca. #ProntoDesabafei

AS SURPRESAS E DECEPÇÕES



|O autor que mais me surpreendeu: Gustavo Ávila foi uma surpresa maravilhosa, não tenho dúvida disso. Escreveu uma história com um enredo brilhante, abordou questões éticas e colocou um personagem maldoso para nenhum fã de Stephen King colocar defeito. E para quem ainda não sabe a Rede Globo comprou os direitos do livro e ele será publicado pela Verus Editora.
|O autor que mais me decepcionou: Neste caso autora. Dani Atkins, que escreveu "A história de Nós Dois". Sempre li o pessoal falar tão bem da autora e de "Uma Curva no tempo", que decidi ler o segundo livro e me decepcionei com uma narrativa extremamente forçada, com um casal sem graça e uma tentativa também forçada de fazer com que o leitor sentisse empatia pelos dois. Além, claro, do drama em excesso.
|O Livro que mais me surpreendeu: Nós Dois, de Andy James. Li já no finalzinho do ano e confesso que escolhi o livro pela capa. Quando li a sinopse achei que fosse só mais um romance que fala das dificuldades de um relacionamento, mas o livro me tocou muito e se mostrou uma história mais rica do que eu imaginava.
|O livro que mais me decepcionou: A decepção só vem quando você espera demais alguma coisa de alguém ou de algo, certo? Sendo assim, esperei ansiosamente por NOVEMBRO 9 e levei uma queda terrível. 

AS SENSAÇÕES


|O Beijo que me Fez Suspirar: Nesse caso os beijos que me fizeram suspirar foram os de Rolly e Ryan, do livro "O primeiro último beijo", da Ali Harris. Olha, esse livro me fez chorar desesperadamente, viu. Chorei até soluçar e isso não é nenhum exagero.
|O Trecho Que Mais me Marcou: 
"Todos nós temos momentos marcantes em nossas vidas, períodos que influenciaram mudanças pequenas ou profundas dentro de nós. Posso pensar em quatro momentos transformadores para mim: o ano em que nasci, o ano em que soube que ia morrer, o ano em que minha mãe morreu e agora tenho um novo, o ano em que te conheci." - O Ano em que te conheci, Cecelia Ahern
|A história que mais me inspirou: "O ano em que te conheci", Cecelia Ahern
|O Livro que acabou com as minhas lágrimas: O primeiro último beijo, da Ali Harris. Só AMOR



|A trama que me causou arrepios: Difícil algum livro ou filme me trazer tanto terror e arrepios assim. Não tenho respostas para essa categoria.
|O livro que me deixou mais curioso: Fassade, da K.S Broeto, foi um livro que me deixou muito curioso porque estava sendo muito bem comentado. Imaginem uma autora independente, que trabalhou sozinha para publicar o livro, fez uma edição com uma diagramação para editora grande nenhuma colocar defeito, e ainda escreveu uma história cativante. Gostei muito do que li. 
|A obra que me fez gargalhar: "O diário de Bridget Jones" e sua continuação. Foi riso e diversão na certa.
|A história da qual eu sinto mais saudade: Um Dia, de David Nicholls. Está aqui porque ano passado assisti mil vezes, reli até a metade, queria mais.
|O Crime que me pegou de surpresa: O crime que me pegou de surpresa está no livro Mr. Mercedes, de Stephen King. Não vou dizer qual para não ser o causador de um belo Spoiler. 

OS 'MAIS'


|A Leitura Mais Difícil: Sem dúvidas "A Menina Submersa". O livro é muito bom, me prendeu, mas também é uma leitura muito densa. 
|A Leitura Mais Fácil: O Diário de uma Princesa Improvável, de Megh Cabot.
|O Livro que li mais rápido: Confusões de um Garoto, da Patricia Barbosa. O livro não é grande, tem uma escrita bem fácil, e por isso que apesar de não ter gostado do livro consegui ler em apena sum dia. 
|O Livro que Mais Demorei Para Ler: O Quarto dia, da Sarah Lotz porque eu não estava gostando do livro, porque ele estava insuportável, e apesar de ter começado a ler por pura e espontânea vontade, acabei sendo obrigado porque foi livro de parceria. 

E Por Fim...
Em 2015 minha meta era: Não costumo fazer meta de quantidade de livros para ler. Gosto de deixar as coisas seguirem despretensiosamente. 
Em 2016: Continuo sem estabelecer uma quantidade, mas criei uma meta para ler pelo menos um livro não popular da minha estante nos próximos seis meses.

Desejo a vocês leituras especiais para 2017 ☆☆☆☆


Olá!

Hoje é dia de Suzy e as águas-vivas, livro da autora Ali Benjamin, que conta uma história emocionante de amor, amizade, descobertas e aprendizado. 

Na vida as coisas simplesmente acontecem ou existe alguma explicação científica para todas as coisas e não um mero acaso? O que você sabe sobre as águas vivas? O que você sabe sobre o seu melhor amigo ou sobre sua melhor amiga? E por último uma pergunta não menos importante: o que você sabe sobre você mesmo?

Talvez tudo o que Suzy sabia quando conheceu Franny é que agora tinha uma melhor amiga, até que ela deixou de ser amiga e a busca pelas respostas para isso ter acontecido passou a ser constante. Quando Franny estava em sua vida parece que nada lhe faltava, afinal havia com quem conversar e ela poderia ser quem realmente é. No entanto, quando Franny se afasta e mais tarde a garota morre afogada, a busca por respostas só aumenta na vida de Suzy. Inconformada com a morte da amiga, a garota se fecha para o mundo e vive um luto constante, se entregando ao silêncio. Assombrada com a situação Suzy decide se refugiar no "mundo silencioso de sua imaginação" e se convence de que Franny pode ter morrido por causa da picada de uma água-viva e é a partir daí que ela cria um plano, a fim de provar a verdade e isso envolve uma viagem ao exterior. Mas enquanto se prepara para colocar o plano em prática, Suzy descobre coisas impressionantes sobre o universo, além de sentimentos especiais que estão mais perto do que ela pode imaginar. 

Suzy Swanson é a filha mais nova de pais separados e é apresentada com todo o seu silêncio. Depois que sua  melhor amiga morreu sem ter feito as pases com ela, Suzy decidiu calar e está trancada num silêncio gritante. A única coisa que a garota pensa no momento é na pesquisa para o trabalho de ciências que precisa entregar à senhora Turton, um relatório revelador e surpreendente sobre as águas vives. A garota está o tempo inteiro em busca de informações, fazendo pesquisas constantes para tirar uma boa nota no trabalho, mas acima de tudo para provar a todos que Franny não morreu simplesmente afogada, mas sim por causa de uma ferroada de uma água viva, da espécie irukandji. Durante essa pesquisa a menina descobre um rapaz que teve experiencias sensacionais e até já foi atingido pelo animal marinho, porém nunca perdeu o amor por eles e mesmo depois de tudo continuou seu trabalho com a espécie. Admirada pela paixão do rapaz pelo seu trabalho, Suzy se sente inspirada a atravessar o país para pedir informações e aprender mais sobre o assunto com o homem. O que existe em comum entre os dois? Ambos foram atingidos por aquilo que ama e ainda assim não abandonou seus amores; e ambos amam também as águas-vivas.

Quero a ajuda de Jamie, pensei. Quero que ele me ajude a fazer algo. Pela minha melhor amiga. Minha amiga, minha não-amiga, que está morta. Quero que ele me ajude a encontrar sentido nisso, a explicar isso, que me ajude a provar, que quando coisas assim acontecem, elas acontecem por alguma razão. (Pág.: 83)

"Suzy e as águas-vivas" tem um enredo extremamente delicado e emocionante, que utiliza de informações científicas para para construir uma teoria sobre os acontecimentos na vida das pessoas. O leitor vai acompanhar a personagem durante a pesquisa para escrever o relatório da aula de ciências, enquanto aprende a estrutura desse trabalho - o que escrever no início do trabalho, qual seu objetivo, qual a possível resposta para a pergunta da pesquisa, etc. - em cada parte da história, que é narrada em primeira pessoa. 

Essa é uma história que reúne ficção e realidade, informações e experiências de vida, para falar de perda e cura, de compreensão, amor e amizade. A jornada de Suzy é repleta de perguntas que podem aproximar ainda mais a personagem do adolescente ou da criança que está lendo o livro. Suzy representa a criança curiosa, que se entrega facilmente às reflexões e pesquisas sobre acontecimentos no universo. Enquanto as meninas de sua idade estão paquerando os garotos da escola, se importando com os cabelos e os tipos de roupa que usam, ela está pesquisando sobre quantas vezes um coração bate em vida, por exemplo. 

A senhora Turton diz, que quando acontece algo que ninguém consegue explicar, significa que chegamos aos limites do conhecimento humano. E é aí que a ciência é necessária. A ciência é o processo de encontrar explicações que ninguém mais pode lhe dar. (Pág.: 18)

Benjamin escreveu uma história inspiradora, sem dúvidas. Mas ainda assim o leitor não escapa daquele momento monótono de uma leitura. No entanto, isso serve como uma ponte para momentos cruciais da história, que com certeza valem a pena, emocionam e comovem o leitor. Nem só de emoção se vive, há sempre uma carta na manga preparada para a cartada final. E que final! Talvez ele não represente aquela história em que tudo se encaixa, mas com certeza representa um final em que as oportunidades existem e a chance de um recomeço não escapa. Tudo depende de nossas escolhas, e Suzy fez a escolha dela, assim como o personagem Mikey, do livro "A mais pura verdade", do Dan Gemeinhart. A história não é nem de longe a mesma, mas a jornada que os dois fazem para realizar um grande feito é gloriosa. 

(...) - Quantos segundos há em cinco minutos? - ela perguntou.
- Trezentos.
- Certo. - disse ela. - Então escute o que quero que você faça. Você vai entrar lá e dar a esse baile pelo menos trezentos segundos. Se realmente não conseguir suportar, use o celular e me chame. Eu venho buscar você. Está bem? Mas pelo menos passe por aquela porta, Zu.
(Pág.: 212)

Suzy e as águas-vivas é aquele tipo de livro que não deixa que o leitor termine de ler sendo a mesma pessoa do início da leitura. É o tipo de história que comove e causa impacto, emociona, mas acima de tudo presenteia quem está lendo com situações e frases tocantes para levar para a vida. Um livro que fala de amizade, respeito, confiança, recomeço e amor a si mesma e ao próximo. Um livro infanto-juvenil para adulto nenhum colocar defeito.

O truque para qualquer coisa é acreditar que ela é possível. Quando você acredita em sua própria habilidade para fazer algo, mesmo que seja algo assustador, isso lhe dá um poder quase mágico.  A autoconfiança é mágica. Permite que você enfrente tudo. (Pág.: 187)

Um aplauso para Ali Benjamin, mulher simples que cresceu nos arredores de Nova York e morava numa casinha velha, que era considerada mal-assombrada pelos vizinhos. Sempre foi amante de insetos e sapos, do mundo natural, o que influenciou na escrita de Suzy e as águas vivas, que inclusive  foi eleito um dos melhores livros do ano (2015) pela New York Times Book Review e foi finalista do National Book Awards. 




XOXO,
Com carinho, Di ♡.