Olá
todo mundo!

Atenção, atenção porque hoje tem meu amado David Nicholls, marcando presença mais uma vez aqui no Blog, dessa vez com seu livro intitulado NÓS (Us). Lançado em 2015 pela Editora Intrínseca, é um livro que afirma a escrita primorosa de Nicholls e reforça sua narrativa bem-humorada em meio ao drama.


Douglas Petersen é um homem metódico, se arrisca pouco e dificilmente se permite ao novo. Ele é bioquímico, tem 54 anos e se depara com a situação do termino do seu casamento. Connie é uma mulher que gosta de liberdade, de inovar e encarar o novo. Entre os dois, diferenças gritantes ajudam na decisão que ela toma de se separar do marido, com quem tem um filho adolescente prestes a sair de casa porque acabou de entrar na faculdade. Mas numa tentativa de fazer com que tudo dê certo, o casal decide encarar uma viagem em família – que já havia sido programada – pela Europa, onde terá a chance de reconquistar a esposa e conseguir uma boa relação com seu filho, Albie, um típico adolescente rebelde, que por conta das constantes brigas com o pai durante a viagem, acaba seguindo seu próprio destino. A viagem é frustrada e muda totalmente de rumo quando o bioquímico decide procurar o adolescente, viajando pela Alemanha, Itália e Espanha, enquanto sua ainda esposa volta para casa.

Nós tem uma história contada em primeira pessoa, sob a visão de Douglas, e durante a narrativa o leitor é levado a vários momentos da vida do personagem com sua esposa, desde quando e como se conheceram até o momento atual, representado pela crise pela qual estão passando. Entre reflexões e suposições, Petersen vai listando atitudes suas que podem ter levado a esposa a querer a separação. Ele é um homem sensível, muito bem organizado, tradicional demais e antiquado demais também. Em contrapartida, Connie é o total oposto dele, assim como o filho, e a mulher se depara com o cansaço de uma relação sem muitas novidades. E por falar em falta de novidade, infelizmente Nós não apresenta novidade alguma na narrativa, para competir com seu trabalho anterior.  

Não há o que discutir sobre a escrita impecável do Nicholls e sua competência com a narrativa. Dificilmente se perde, não deixa pontas soltas e coloca detalhes em seus devidos lugares. No entanto, o autor apostou numa narrativa linear, sem muitas reviravoltas. A história toda se passa numa viagem, em que uma família que deveria estar unida parece viver uma guerra. Além disso, os personagens não são nem um pouco cativantes.


Petersen é irritante, submisso e bobo demais a ponto de se humilhar e fazer tudo o que sua esposa quer para agradar a ela e ao filho. Connie é uma mulher intolerante, antipática e rude, assim como Albie, que, rebeldia à parte, é um poço de grosseria também. A história apresenta apenas os três personagens, que dão vida ao título genérico dado ao livro e mesmo quando surgem os secundários são apenas para criar uma ponte para novas reflexões. É uma narrativa voltada para a família e a situação pela qual estão vivendo: a separação de um casal e a conquista de uma boa relação entre pai e filho. 


Nós é um bom livro e apresenta também uma boa história. Apesar da mesmice, empolga o leitor com reflexões inteligentes, acerca das relações familiares e amorosas, e mesmo tendo um texto atraente não há elementos que faça dela uma história inesquecível.

Um Beijo para vocês!
❤ Diih.

6 comentários:

  1. Olha Dih, no futuro, tenho certeza de que seremos dois velhinhos lindos e bem vestidos, bebendo cappuccinos gigantes com aspirina, e freneticamente discutindo assim: "Mas o Douglas é que é um chato!", "Não, é o Dex, aquele bêbado indeciso!", "Miga, sua loca, é claro que é o Douglas" kkkkkkkkk <3 <3 <3
    Ai ai, vou até reler o combo Nicholls que tá aqui, deu saudade :)
    Bjusssss

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha e da sua sinceridade rs...
    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Di! Tudo bem? Eu nunca tive interesse em ler esse livro, mas acho a capa dele bem bacana. É o que dizem, né? Um dia, quem sabe...? Adorei a resenha! :)

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Di, olha eu de novo haha.

    Ano passado falou desse livro na turnê intrínseca e eu fiquei mega interessado para ler ele e agora fiquei um pouco mais, a história me parece ser bem legal. Amei a resenha, parabéns <3

    Beijos!
    Meu MundoRay

    ResponderExcluir
  5. Oi Diego! Você vai me bater, mas ainda não li nada do David Nicholls! Já li um monte de resenhas maravilhosas de livros dele e coloquei na minha lista, mas ainda não tive a chance de ler nenhum! :( Gostei bastante da resenha, com certeza é um livro que eu leria, mas acho que eu odiaria um pouco o Petersen. ahhaha

    Beeijos, Paola
    uma-leitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Diego,

    Eu li o livro mais famoso do David, e tenho uma birra até hoje com ele por causa de Um dia, o famoso final. De todos os livros que saíram depois, esse foi o que mais me interessou, mesmo tendo tantas dizendo que o livro não é o melhor dele. Quero ler, só ainda não sei quando.

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"