Salvador - Ba

Olá, Eduardo.

Posso começar dizendo que estou surpreso e que dessa vez você que me deixou sem reação? Quando vi o envelope na porta do meu apartamento fiquei bastante curioso, imaginando quem seria o autor da carta. Quando li seu nome não entendi nada e ainda estou tentando acreditar no que li. De qualquer forma, acho que você merece uma resposta.

Quando me mudei para esse apertamento eu cheguei com todas as minhas coisas e mais um coração partido. Você consegue imaginar como é começar uma vida sozinho, longe de todos, numa nova cidade? Sim, eu venho de outro estado, morava em Minas Gerais. E sim, eu também era casado e há mais ou menos um ano havia me separado quando cheguei aqui. Finalmente superei! Digo isso porque também nunca havia olhado para você de outra maneira que não fosse com um novo vizinho apressado e antipático, naquele período. 

Parece brincadeira, mas moro aqui há dois anos e até hoje estou me perguntando o que fiz de errado naquele dia na sacada do prédio. Você sempre me cumprimentou de um jeito sério na sua saída e eu sempre achei graça do seu jeito apressado e centrado. Mas mesmo assim não esperava todo aquele silêncio e sua recepção nada amigável. Então, decidi me conter e não invadir mais seu espaço - ou simplesmente sorrir pra você como uma pessoa que já se conhece a mais de uma década. Cara, você foi cruel! 

Confesso que nunca imaginei ler coisas como essas de você. E ao contrário do seu jeito desapegado e "frio", como você fez questão de enfatizar, eu sou totalmente o oposto. Sorrio mesmo, me jogo mesmo, me quebro ao meio e me reinvento pelo amor e pela chance de me permitir viver aquilo que eu acredito. A vida é curta demais para focar somente no trabalho, somente nos estudos e se anular. Olhe para o lado, Eduardo! O mundo é maior do que seu ambiente de trabalho e sua turma da faculdade. E ter o carinho e o abraço de alguém nos dias cansativos é libertador.

Fico imensamente feliz em saber do efeito que meu sorriso causou em você. E antes que me esqueça eu não sou um desocupado como você de maneira precipitada pensou. Aposto que isso é consequência do estresse, caramba! Mas como eu ia dizendo... começo no novo emprego mês que vem e está tudo certo. E mais, aposto que se for à piscina mais vezes vai me ver sempre por lá escutando música, não porque sou desocupado, mas porque a gente precisa de um tempo para relaxar, colocar as coisas em ordem e recomeçar.   

Opa! Desculpe se estou sendo invasivo demais e de forma alguma quero te dar lição de moral. Mas eu gosto de falar, saca? Filosofia é o meu forte - sou formado já. Então, será mesmo que você gostaria de aturar todos os meus discursos? (risos: espero que melhore sua noite).

Bom, vamos deixar de enrolação. Acho que o pôr do sol daquele dia me fez ver muitas coisas, assim como você. Seu sorriso não foi dos mais convidativos e seu silêncio também não. Mas o simples fato de ter você por perto me fez sentir vontade de te convidar pra sair, de te conhecer melhor, de mandar esse medo infeliz de ter meu coração partido novamente ir se ferrar. 

Não sei, mas acho que você seria um forte candidato a deixar meu coração em pedaços minúsculos. Me perdoe, mas também tenho meus pré-julgamentos. Sabe como é, né...  

Mas, por favor, me diga que estou errado. Porque sim, você terá essa oportunidade. Porque quero ver o horizonte com você, e quero sorrir para você novamente. E eu gostaria que você pudesse olhar para mim novamente e que dessa vez me dissesse um Oi mais gentilGostaria que você fosse gentil, que me cumprimentasse com um abraço e tocasse minha mão durante o espetáculo no céu, como você mesmo diz. 

Você disse que sou capaz de lhe intimidar. Mas já parou para pensar que você causa o mesmo efeito em mim? E isso não acontece porque você me abre um sorriso belo, me olha com os olhos brilhantes ou pinta um mundo colorido cada vez que passa por mim. Isso acontece porque quando você passa por mim eu percebo o quanto você é solitário e o quanto essa correria que você faz do seu mundo torna ele cinza. E eu juro que não me falta vontade de levar baldes de tintas coloridas para pintar seu universo e colocar mil estrelas brilhantes como o céu nessa parede sem cor. Você me desafia a querer você, desafia minha coragem, desafia o meu momento de paz. É com isso que você me intimida. Mas eu adoro desafios, amo mergulhar neles. 

Portanto, estarei esperando você na sacada do prédio no próximo sábado, às 17h00.

Um beijo,
Arthur.


Essa carta é a resposta de Arthur para a carta que Eduardo enviou logo no início da manhã antes de sair para trabalhar. Leia o que Eduardo disse para Arthur e entenda melhor clicando na imagem:


5 comentários:

  1. Muita sensibilidade envolvida!! <3 <3 <3 Super obrigada por compartilhar este tanto de amor com a gente, Dih :))) E que todo esse amor das cartas seja sempre uma realidade possível na vida de todo mundo!!
    Bjocas,
    Reb

    http://blogpapelpapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Uau, que carta mais linda! Achei muito interessante a forma como vocês fizeram o post, toda a emoção que colocou ao escrever estas palavras. Acho que de alguma forma, você conseguiu expressar bem tudo aquilo que sentia e o que sentiu ao procurar um novo recomeço. Amei!
    Beijo.
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  3. Adorei a carta! Eu sou doida por cartas e adoro escrevê-las, esse foi um dos pontos de eu ter gostado tanto desse texto <3 acredito que cartas deixa um relacionamento, independente de qual for tão fofo e genuíno! Que post lindo!

    Beijos,
    ahamare.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    Gosto muito desse tipo de texto, ficou tão bom. Deu para sentir as emoções de quem escrevia.
    Adorei.

    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"