Vagando em pensamentos
Entre perguntas e dúvidas,
Indago “O que se faz do mundo
Que acabei de deixar lá fora?
O mundo que me traz medo...
Tão cheio, tão forte, intenso… Tão grande!?”
Sinto como se uma parte desabasse todos os dias.

Aqui de dentro me pergunto:
- “O que será feito do menino descalço e com fome”?
Do bêbado na calçada e da mãe desesperada?”
Imagens e visões cruéis
Reflexões, tristezas, talvez...

O que será feito do mundo tão meu
Onde o céu claro é imperceptível
E a paisagem apagada da fumaça
Que tapa minha visão?
Do que será feita minha emoção?

O que será feito dos meus, dos nossos sonhos
Quando, num mundo tão cheio de segredos,
Formos apenas opção, e eu
Um mero prisioneiro meu?

Copyright © 2011 Todos os direitos reservados a Diego França

8 comentários:

  1. O mundo é realmente grande, e nele existem diversas realidades com as quais nós, prisioneiros de nossos próprios mundos não conseguimos perceber com clareza.

    Isso me lembra uma frase título de um álbum de fotos de um antigo professor meu: "O mundo não é só sua aldeia".

    Belo poema Diego. =)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo LIma...sempre Rodrigo, rs.
    Realmente, o mundo não é apenas nossa aldeia.
    Muitas vezes isso também me assusta, me sinto tão pequena, tão desprotegida... =/
    Mas bola pra frente!!
    Beijos, Dih... ^^

    ResponderExcluir
  3. Pow vei, c tem muito pela frente, c manda bem nas palavras, expressa com muito sentimento =)

    ResponderExcluir
  4. Quem não tem uma prisão particular heim?? Belas palavras!! Adoro seus textos, meu escritor favorito!!!

    ResponderExcluir
  5. Poesias são sempre poesias, únicas em cada forma escrita, desbrava aquilo que não se pode ver, pela simples palavra, gostei! O interessante é que todos nós temos prisões...

    ResponderExcluir
  6. ÁS vezes se a gente fizer feliz as nossas Vontades, os nossos prazeres, a nós mesmos como humanos, pensantes e recheados de sentimento, e se cada um fizer assim, possa ser que todos seremos uma multidão cheia de vontade, principalmente para chegar naquele que pensa que tudo está acabado, e dizer: Você é importante para mim! Faz parte do meu mundo! Faz parte de mim!....

    ResponderExcluir
  7. Ah! não esquecendo....adorei seu poema! Lindo, direto, reflexivo..
    Abração!

    ResponderExcluir
  8. Como sempre, belas palavras e reflexões, Diego!!! Seu texto já nos chama atenção para uma das funções sociais do poeta: o compromisso social: “O que será feito do menino descalço e com fome”?
    Do bêbado na calçada e da mãe desesperada?”.
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"