24.5.11

"Aventureiro"
Hoje decidi acordar no meio da madrugada e conhecer o vazio que existe depois da meia-noite. Levantei-me da cama e coloquei os pés descalços no chão. Não quis calçá-los ou me olhar no espelho e ajeitar os cabelos desarrumados. Estava ansioso para vagar no meio da escuridão.
Depois de abrir a porta de casa, segui em passos lentos e silenciosos. Senti o vento me beijar e o céu se abrindo sobre mim. Então, percebi que a madrugada não é tão vazia e quanto mais me permitia, o mundo tornava-se maior. Sim, o céu era tão escuro quanto a rua que me esperava ansiosa.
Continuei a caminhada na companhia das estrelas. Tão lindas, cheias de luz, de brilho ofuscante... Elas me conduziam todas de mãos dadas. Vi casas que se moviam, navios gigantes, quimeras, árvores falantes; ouvi sons silenciosos, e arrepios que desconcertam me vinham à pele.
A madrugada escura é um tempo sem intrigas. Tudo o que se esconde se faz vivo na escuridão. Gritos, vozes, sombras e maçãs enormes olhavam para mim; folhas que ganharam vida, águas que corriam longe e cavalos marinhos. De repente, não havia distinção de mundo. Tudo era igual, tudo ganhara vida. Minha sombra tomava a frente de tudo sem repetir os meus gestos, meus olhos nem sequer abriam. Eu estava curioso e perplexo com esse novo lugar. Tão grande, cheio de pecados e exclamações!  Era vida, fantasia, alimento para a alma. Vi estátuas movendo-se; era loucura! Eu não queria voltar. Não naquela hora enquanto havia muito para ver e sentir.
Mesmo de pernas cansadas quis seguir. E eu ia... e eu ia... Gostaria de ir até o fim! Sei que havia muito a ser descoberto. Tinha visto formas sem tamanho, objetos com vida, moradas em movimento e eu sem nada a temer.
Permaneci absorto quando as estrelas me indicaram o momento de regressar. Enquanto refazia os passos de trás, as maçãs já não cresciam, os edifícios permaneciam inertes e apagados; procurava e já não encontrava cavalos marinhos. Minha sombra me acompanhava imitando os meus gestos em silêncio. Agora, estou ainda descalço no meio da rua deserta, com frio e sentindo arrepios. Estou voltando para casa, retornando ao meu corpo e então, venci os meus medos, aqueles mesmos que eu tinha de mim.
                                                                    

                                          Copyright © 2011- Diego França – Todos os direitos reservados

2 comentários:

  1. Oi BB sempre legais seus textos, gostei muito desse!!

    Curtir muito as imagensssssss

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Diih! Seus textos são muito bons! As sensações transmitidas são fantásticas...
    .
    E como estão indo suas "aventuras"?
    rs
    Até +

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"