Especial dia das crianças


★★★

Quando eu tiver um filho ou uma filha, além de amor, minha maior preocupação será em educá-lo, mas educá-lo bem. Para respeitar não só a mim, mas a todos ao seu redor, mesmo quando não for presenteado com a reciprocidade. 

- "Mas todo mundo sabe que é de educação que uma criança precisa, Di!"

Claro, todo mundo sabe. Mas nem todo mundo parece se preocupar. Tem gente que anda tão ocupado, sempre correndo, que esquece que ser presente na vida de uma criança faz parte do processo de educar. E olhando para o lado, vendo a rotina dos filhos de amigos meus, até mesmo de conhecidos, busco sempre encontrar o que levar de exemplo, e o que não levar comigo no processo de me educar,  para então educar aquela que venha a ser minha criança. 

Quero que ela veja o que existe ao redor dela; quero que entenda o que é pertinente ou não fazer. Quero que saiba que a gente vive num mundo machista e preconceituoso - e irei explicar com cuidado e carinho o significado dessas palavras. Ela vai saber que o mundo onde vivemos é de uma hipocrisia tamanha, mas que sempre há quem apareça para fazer a diferença; eu vou dizer a ela que fazer a diferença é uma das coisas mais bonitas da vida, e que ela poderá conhecer tamanha beleza. Vou dizer que ela tem escolhas e não vou tirar esse direito na maioria das vezes, que me preocuparei em jamais impor minhas vontades, mas que algumas intervenções serão necessárias.

A criança que me acompanhar nessa vida saberá que prezo muito pelo diálogo, e que mesmo quando os dias forem cheios demais, buscarei pelo menos cinco minutos para saber deles e ouvir o que eles tem a dizer ou reclamar - porque uma criança pode não ter conta para pagar, coisas a resolver, mas eles tem problemas sim. Qualquer coisa que o incomode é um problema. E quero que ele me conte para que possamos resolver juntos e ele finalmente, num dado momento possa saber que pode se virar sozinho. 

A criança vai escutar todo o tipo de música que desejar. Eu quero mostrar para ela tudo o que existe ao nosso redor, na medida do possível. Mas também vou falara para ela o significado de agressão, para poder deixar claro também que existem algumas músicas que são capazes de agredir o outro com seu conteúdo grosseiro, e palavras violentas. Não vou impedir de escutá-las porque elas estão em todo lugar. Mas quero despertar nela a consciência do que aquilo representa. Porque a gente só consegue lutar com garra quando adquirimos consciência do que estamos fazendo e por que. 

Eu vou deixar que ela saiba o que é cigarro, o que é uma bebida alcoólica, e vou dizer o que elas são capazes de fazer - desde os problemas relacionados à saúde, até a sensação de prazer momentâneo que elas podem dar. Vou deixar que ela conheça através de mim. Eu prefiro que seja assim. Eu quero falar para ela, quero mostrá-la. E se ela quiser experimentar eu quero que faça na minha presença também. Quero que cheguemos a uma conclusão do que fazer ou não fazer, ou do que é bom ou não é juntos, e não que ela conheça as possíveis sensações por influência de outras pessoas.

E por falar em influências vou dizer que não se deixe influenciar, que não se renda às influencias (as boas e as ruins), mas aos próprios desejos, quando eles simplesmente não fizerem mal para si ou para o outro. Mas vou dizer também que é preciso ter humildade para ouvir conselhos e pensar com carinho se deve segui-los ou não. Acima de tudo quero que ela seja fiel a quem realmente é.

Minha pequena vai aprender sobre as diversas manifestações de arte que eu puder ensinar - por isso tento aprender o máximo de coisas possíveis. E vão saber o real motivo de não poder ver um filme que eles tanto querem, por exemplo. Vou ter o mais prazer em dizer que não é o momento ainda, que enquanto ele não estiver preparado para entender certas coisas - e fazê-los entender certas coisas é um fazer constante - não será possível assistir àquilo. Eu penso que é preciso construir caminhos para finalmente conhecer a grande novidade. E se essa obra não está pronta, não há porque explorar as imediações. Quero deixar que ela me mostre quando estiver preparada.

Minha criança vai saber que pessoas se relacionam entre si, que homens podem tanto se relacionar com mulheres, quanto com outros homens; e mulheres podem também se relacionar com outras mulheres. Porque se existe algo que a gente não tem é uma formula para dominar o desejo que acontece, não vem por excolha. Vou deixar claro para ela, que ainda que venha a ter um pensamento diferente do meu é um direito dela, mas também um dever respeitar o que o outro pensa, o que outro quer, o que o outro sente. 

Vou pedir, que ao invés de rir do outro, ria de si mesmo pela grande estupidez. E então, nesse momento,  busque olhar-se no espelho para perceber o que realmente está fazendo, o quão feio tal atitude pode ser. 

Vou dizer a ela que chore. Que sinta raiva, que se permita ficar triste. Vou dizer que fale palavrão, mas que respeite quem está ao lado. Normal dizer uma palavra feia, mais normal ainda saber que ela é tão feia que é melhor não ser pronunciada. Mas ninguém é perfeito e vai ser uma das coisas que vou fazer questão de lembrá-la sempre. Porque eu quero também que por entender que não é perfeita, não se ache melhor do que ninguém - nem pior também. Vou dizer que ela poderá ter seu coração partido em mil pedaços, mas que terá o tempo que precisar para se recuperar e que isso pode demorar ou não.

Há muitas coisas guardadas que eu gostaria de dizer. Por isso, estou numa busca constante por perguntas para que eu possa responder quando chegar a hora. Quero conhecer o máximo de coisas que eu puder, para que eu possa, então, mostrar. Estou todos os dias tentando me educar como pessoa,  para que eu possa me libertar de vez de todos os conceitos equivocados que tive ao longo de minha vida até aqui. 

Quando eu tiver uma filho ou uma filha ou simplesmente uma criança vou dizer a ela que não importa o que digam, uma das coisas mais importantes pelas quais devemos lutar é pela nossa liberdade, seja ela de escolha, expressão ou pensamento. Mas que a gente precisa ser livre sem ameaçar a liberdade alheia; a gente precisa lutar por nossa liberdade sem aprisionar o outro. 

Um dos melhores presentes que uma criança pode ganhar enquanto o tempo passa é uma educação digna. Portanto, eduque-se.

XOXO,



12 comentários:

  1. Oi Diih
    Adorei seu texto, cheio de sentimentos e reflexões. Penso que a educação é a base de tudo e concordo com os teus pensamentos. Ótimo texto.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Dih. É fantástico ver a sua preocupação em querer acrescentar mais do que uma criança a um mundo machista, preconceituoso e problemático. Eu quero ter três filhos e todo mundo me diz que isso é loucura nos dias atuais mas eu acredito que se você se esforçar para oferecer uma boa base e educação para a criança, você pode sim conseguir com que ela se torne alguém de caráter bom. Tem pais que deixam as crianças venderem balas na rodoviária aqui da cidade. O pior é que são crianças menores do que os carrinhos que eles empurram, devem ter 4 ou 5 anos, é assustador ver elas de pé no chão oferecendo algo para os passantes. Quero principalmente dar uma vida digna para meus filhos, e claro, o respeito por todos que você citou. Tem tanta criança mal educada e mal intencionada por aí, e infelizmente a maior culpa sempre recai sobre os pais.
    Espero que tudo dê certo caso tenhamos filhos <3
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com/

    ResponderExcluir
  3. Quando eu olho ao redor e penso em como o mundo e a humanidade em si estão hoje em dia eu imediatamente penso que a Terra não tem futuro, e que o melhor que podemos fazer é nos matar e deixar o planeta pros outros animais e pras plantas, em especial quando eu percebo o quanto as pessoas podem ser ignorantes, ainda mais quando suas mentes fechadas são enfrentadas por alguém. Mas daí eu percebo que não é sempre assim. Mesmo que não possamos "mudar" a mente de todo mundo, existem aqueles que apenas não têm informação suficiente, mas que estão procurando se informar mais sobre direitos humanos etc, e também existe a próxima geração.Talvez minha avó de 90 anos ou meu tio de 60 não abram suas mentes pra sociedade em volta deles, mas os mais novos vão. Ódio é ensinado, então por isso eu penso tanto em como vou criar meus filhos.

    Abraços!
    AnaCarolina

    ResponderExcluir
  4. Olá! Tudo bem?
    Concordo em gênero e número com o que escreveu nesse post...
    ...o melhor a se fazer mesmo é mostrar o mundo para a criança, e impor o seu mundo a ela!
    Meus parabéns pelo post
    Já estou te seguindo... poderia me seguir também?!
    Link ~>Misto Quente !
    Um abraço ;*

    ResponderExcluir
  5. Oi, Diego!
    O mundo é tão complicado, que eu penso muito em não ter filhos. Por mais que eu já tenha imaginado tudo o que eu faria, eu nunca acho que seria o suficiente. rs
    Mas amei muito seu texto! :)
    Beijo

    Canastra Literária | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  6. Oi
    você vai criar seus filhos bem, fazendo o que é correto, pois os pensamentos das pessoas são moldados ainda na infância, mas acabam sendo corrompidos por certo pesamentos de seus pais.
    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Diego,
    Esse post só me mostrou o quanto ser humano você é. No melhor sentido da palavra.
    Adorei suas reflexões e acho necessário você ter essa preocupação, isso mostra sua consciência.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi, Di!
    Meu Deus, amei seu texto! Ele reflete tudo que penso quando eu tiver um filho. Mas ao mesmo tempo fica aquele medo de não ser uma boa mãe sabe? Sei lá...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  9. Ainda não tenho filhos, mas quando tiver um quero deixar ele livre, apresentar o mundo a ele da maneira que é, e esperar pelo melhor, ensinar é importante, e se eu ensinar direito e com amor ele vai fazer as escolhas certas, as escolhas que levem a felicidade dele. assim espero. XoXo.

    ResponderExcluir
  10. Um dia conversando com os meus pais sobre esse assunto eles diserram que o desejo deles para mim é que eu fosse parte de uma geração melhor do que eles foram... Acho que essa é a meta da vida! Ser pessoas melhores que os nossos pais e termos filhos melhores que nós.
    xoxox

    ResponderExcluir
  11. Esse texto é ótimo, deixar as crianças livres para seguirem seus caminhos, mas ensinando a eles que o mudo é feito de diferença, ensinando-as a ter mais empatia com próximo, com certeza teremos uma nova geração que saiba conviver com as diferenças.

    ResponderExcluir
  12. Diego, parabéns cara seu texto está perfeito e cheio de reflexões e ensinamentos.

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"