Olá!

Hoje é dia de Suzy e as águas-vivas, livro da autora Ali Benjamin, que conta uma história emocionante de amor, amizade, descobertas e aprendizado. 

Na vida as coisas simplesmente acontecem ou existe alguma explicação científica para todas as coisas e não um mero acaso? O que você sabe sobre as águas vivas? O que você sabe sobre o seu melhor amigo ou sobre sua melhor amiga? E por último uma pergunta não menos importante: o que você sabe sobre você mesmo?

Talvez tudo o que Suzy sabia quando conheceu Franny é que agora tinha uma melhor amiga, até que ela deixou de ser amiga e a busca pelas respostas para isso ter acontecido passou a ser constante. Quando Franny estava em sua vida parece que nada lhe faltava, afinal havia com quem conversar e ela poderia ser quem realmente é. No entanto, quando Franny se afasta e mais tarde a garota morre afogada, a busca por respostas só aumenta na vida de Suzy. Inconformada com a morte da amiga, a garota se fecha para o mundo e vive um luto constante, se entregando ao silêncio. Assombrada com a situação Suzy decide se refugiar no "mundo silencioso de sua imaginação" e se convence de que Franny pode ter morrido por causa da picada de uma água-viva e é a partir daí que ela cria um plano, a fim de provar a verdade e isso envolve uma viagem ao exterior. Mas enquanto se prepara para colocar o plano em prática, Suzy descobre coisas impressionantes sobre o universo, além de sentimentos especiais que estão mais perto do que ela pode imaginar. 

Suzy Swanson é a filha mais nova de pais separados e é apresentada com todo o seu silêncio. Depois que sua  melhor amiga morreu sem ter feito as pases com ela, Suzy decidiu calar e está trancada num silêncio gritante. A única coisa que a garota pensa no momento é na pesquisa para o trabalho de ciências que precisa entregar à senhora Turton, um relatório revelador e surpreendente sobre as águas vives. A garota está o tempo inteiro em busca de informações, fazendo pesquisas constantes para tirar uma boa nota no trabalho, mas acima de tudo para provar a todos que Franny não morreu simplesmente afogada, mas sim por causa de uma ferroada de uma água viva, da espécie irukandji. Durante essa pesquisa a menina descobre um rapaz que teve experiencias sensacionais e até já foi atingido pelo animal marinho, porém nunca perdeu o amor por eles e mesmo depois de tudo continuou seu trabalho com a espécie. Admirada pela paixão do rapaz pelo seu trabalho, Suzy se sente inspirada a atravessar o país para pedir informações e aprender mais sobre o assunto com o homem. O que existe em comum entre os dois? Ambos foram atingidos por aquilo que ama e ainda assim não abandonou seus amores; e ambos amam também as águas-vivas.

Quero a ajuda de Jamie, pensei. Quero que ele me ajude a fazer algo. Pela minha melhor amiga. Minha amiga, minha não-amiga, que está morta. Quero que ele me ajude a encontrar sentido nisso, a explicar isso, que me ajude a provar, que quando coisas assim acontecem, elas acontecem por alguma razão. (Pág.: 83)

"Suzy e as águas-vivas" tem um enredo extremamente delicado e emocionante, que utiliza de informações científicas para para construir uma teoria sobre os acontecimentos na vida das pessoas. O leitor vai acompanhar a personagem durante a pesquisa para escrever o relatório da aula de ciências, enquanto aprende a estrutura desse trabalho - o que escrever no início do trabalho, qual seu objetivo, qual a possível resposta para a pergunta da pesquisa, etc. - em cada parte da história, que é narrada em primeira pessoa. 

Essa é uma história que reúne ficção e realidade, informações e experiências de vida, para falar de perda e cura, de compreensão, amor e amizade. A jornada de Suzy é repleta de perguntas que podem aproximar ainda mais a personagem do adolescente ou da criança que está lendo o livro. Suzy representa a criança curiosa, que se entrega facilmente às reflexões e pesquisas sobre acontecimentos no universo. Enquanto as meninas de sua idade estão paquerando os garotos da escola, se importando com os cabelos e os tipos de roupa que usam, ela está pesquisando sobre quantas vezes um coração bate em vida, por exemplo. 

A senhora Turton diz, que quando acontece algo que ninguém consegue explicar, significa que chegamos aos limites do conhecimento humano. E é aí que a ciência é necessária. A ciência é o processo de encontrar explicações que ninguém mais pode lhe dar. (Pág.: 18)

Benjamin escreveu uma história inspiradora, sem dúvidas. Mas ainda assim o leitor não escapa daquele momento monótono de uma leitura. No entanto, isso serve como uma ponte para momentos cruciais da história, que com certeza valem a pena, emocionam e comovem o leitor. Nem só de emoção se vive, há sempre uma carta na manga preparada para a cartada final. E que final! Talvez ele não represente aquela história em que tudo se encaixa, mas com certeza representa um final em que as oportunidades existem e a chance de um recomeço não escapa. Tudo depende de nossas escolhas, e Suzy fez a escolha dela, assim como o personagem Mikey, do livro "A mais pura verdade", do Dan Gemeinhart. A história não é nem de longe a mesma, mas a jornada que os dois fazem para realizar um grande feito é gloriosa. 

(...) - Quantos segundos há em cinco minutos? - ela perguntou.
- Trezentos.
- Certo. - disse ela. - Então escute o que quero que você faça. Você vai entrar lá e dar a esse baile pelo menos trezentos segundos. Se realmente não conseguir suportar, use o celular e me chame. Eu venho buscar você. Está bem? Mas pelo menos passe por aquela porta, Zu.
(Pág.: 212)

Suzy e as águas-vivas é aquele tipo de livro que não deixa que o leitor termine de ler sendo a mesma pessoa do início da leitura. É o tipo de história que comove e causa impacto, emociona, mas acima de tudo presenteia quem está lendo com situações e frases tocantes para levar para a vida. Um livro que fala de amizade, respeito, confiança, recomeço e amor a si mesma e ao próximo. Um livro infanto-juvenil para adulto nenhum colocar defeito.

O truque para qualquer coisa é acreditar que ela é possível. Quando você acredita em sua própria habilidade para fazer algo, mesmo que seja algo assustador, isso lhe dá um poder quase mágico.  A autoconfiança é mágica. Permite que você enfrente tudo. (Pág.: 187)

Um aplauso para Ali Benjamin, mulher simples que cresceu nos arredores de Nova York e morava numa casinha velha, que era considerada mal-assombrada pelos vizinhos. Sempre foi amante de insetos e sapos, do mundo natural, o que influenciou na escrita de Suzy e as águas vivas, que inclusive  foi eleito um dos melhores livros do ano (2015) pela New York Times Book Review e foi finalista do National Book Awards. 




XOXO,
Com carinho, Di ♡.

12 comentários:

  1. Oi Di!
    Tambem adorei esse livro, a forma como a autora abordou esses assuntos foi linda e entrou pros favoritos <3
    Abraço!
    http://leituraforadeserie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro, parece ser encantador! Adorei teu blog, França!

    ResponderExcluir
  3. A premissa do livro nunca me chamou muito a atenção. Mas depois de muitas resenhas emocionantes, como a sua, pude perceber que é um livro delicado, sobre uma garotinha de luto e sua imaginação fértil. Um livro que realmente merece ser lido!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Diego! Tudo bem?

    Essa não é primeira resenha positiva sobre esse livro que eu leio. Quero muito poder ter a oportunidade de lê-lo ainda esse ano. Todo o drama que a protagonista passa, a perda da amiga me chama atenção de forma positiva e negativa, pois perdi um grande amigo há alguns anos e posso imaginar o quão doloroso isso deve ser no livro e também na vida real. Enfim, estou aceitando de presente (rsrs)

    Feliz ano novo! https://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Di!
    Está todo mundo amando esse livro. Estou vendo que não vou ser uma dessas (Também sou de Aquário). Tenho probleminhas com isso.

    Menino, eu também sou de Aquário, mas minha Lua em Virgem não me deixa ser rebelde com metas hahhahaha

    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Eu não conhecia esse livro ainda, mas essa sua resenha me fez ficar super curiosa para saber mais sobre essa história.
    Me pareceu um livro marcante, sabe?!
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
  7. Oi Dih, tudo bem?

    Desde o lançamento eu estou com vontade de ler, a capa é linda e o enredo parece que emociona. Adorei a resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Oi
    eu adorei ler esse livro, a Suzy é uma personagem ingênua e cativante, mas me estressei com a amiga dela de acordo com as lembranças.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. OI Diih
    Eu achei que já tivesse comentado nesta resenha (pois eu já tinha lido a resenha), mas não achei meu comentário ehehhe.
    Vim te dizer que amei sua resenha e que hoje comprei o livro por 19,90 na saraiva estou doida pra ler.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Diego.
    Puxa, eu me interessei pelo livro.
    Apesar de ser classificado como infanto juvenil, percebi que há lições que são aplicadas para a vida toda.
    É o tipo de leitura agradável e cheia de sentimentos.
    Feliz ano novo.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
  11. Oi Diego,

    Engraçado que eu não dei muito para esse livro quando ele foi lançado. Livro pequeno, capa bonita, mas nada demais. Dai vieram as resenhas, todas muito inspirados e agora eu quero ler!! Ótima resenha, se tiver a oportunidade vou ler com certeza. :)

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir
  12. Olá, Dih!
    Que livro mais amor *-* Achei bem interessante e leve! Recheado de lições <3 Amei ainda mais por Suzy ser diferente das outras meninas *-* Estória encantadora! Resenha fantástica <3
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.com.br

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"