A infância talvez seja o retrato mais bonito que um adulto pode ter e querer na vida. É uma das lembranças mais doces que alguém pode ter, tanto que quando a gente é adulto, a gente suspira e a todo momento, de alguma forma ou por algum motivo diz algo como "na minha infância eu subia em árvores", ou então, "Ah, que saudade da minha infância, dos meus brinquedos e programas de TV". 

Mas acho que sei o por quê disso, e acho que você também sabe. Na verdade a gente sente, não é mesmo? Se você deixar seu coração falar agora tem certeza de que ele não vai gritar as razões pelas quais é tão bom ser criança? Provavelmente a gente não sinta igual, mas a gente sente. Porque um dia fomos crianças, porque temos crianças na vida, porque uma parte de nós ainda é criança. 

Na minha infância eu subia em árvores, tinha muito medo - muito mesmo, até pensava em desistir! -, mas a sensação de se aventurar e de interpretar personagens, enquanto colocava os pés em cada parte da planta, para colher goiabas na roça do meu avô, superava toda e qualquer dor ou queda. Se eu caísse  iria doer, mas depois ia passar. E eu sempre tive uma sorte imensa de ter pessoas ao meu lado para me abraçar de alguma forma nos momentos de dor, na hora de assoprar uma ferida ou fazer massagem num braço machucado. Acho que ser criança é se aventurar para descobrir. 

Na minha infância, quando não existia redes sociais, quando a tecnologia digital ainda estava prestes a engatinhar a gente brincava de pega-pega, de esconde-esconde, de telefone sem fio e de colher flores de um planta que se chama alfazema para fazer perfume. Você imagina? Eu e minhas primas colhíamos as plantas escondidos e preparávamos todos os ingredientes para, enfim, fazer nosso próprio perfume. Mas, espera: o cheiro nunca era o mesmo. Era cheiro de folha - eca! E era uma decepção. Mas acho que o ser criança também é isso, saber da forma mais doce possível que nem tudo é tão simples, mas que não é porque não é tão fácil que será impossível. E por isso logo tratava de arrumar outra brincadeira ou outro modo de fazer.

Eu e meus amigos corríamos pela roça, pelo barro alaranjado - sim, na minha cabeça esse barro tinha um cor laranja -, comíamos araçás verde, verde e fazíamos cara feia quando percebíamos que eram duras demais. Fugíamos de um tapa e quando escapávamos era uma gargalhada só, do tipo de tirar o fôlego e não conseguir nem sequer falar direito. Ríamos até a barriga doer. E nesses momentos entendíamos que por hora nosso "problema" estaria resolvido e isso era motivo de comemorar sim, mesmo que não escapássemos de outro tapa depois. Seria um outro momento e logo depois do arder de uma chinelada, um sinto ou palmada; logo depois do incômodo de um castigo, o ser criança continuaria sendo criança e estaria tudo certo. Pois ser criança é não se preocupar com o amanhã, é se preocupar com o depois de fazer os exercícios da escola para voltar a brincar de novo.

Ser criança é, às vezes, não querer brincar e ficar jogado no sofá curtindo um programa especial, um desenho especial, um grupo ou cantor especial. Eu cresci escutando Sandy e Junior, dançando Sandy e Junior e não piscava os olhos quando via os dois se apresentando na televisão. Pedia mais, esperava ansioso por mais - valeu Sandy e Junior por ter feito minha infância mais bonita, por ter colocado trilhas sonoras maravilhosas nela. Ficava triste quando acabava, mas depois que passava o sentimento de estar desapontado com o final das apresentações da dupla do amor eu me deliciava com o Super Mario Bros, a Luluzinha, a Caverna dos dragões e aproveitava meus programas prediletos: TV colosso, Xuxa Parque, Angel Mix, Caça Talentos e outros mais. Porque o ser criança sabe como fazer do limão uma limonada bem gostosa,

Mas o ser criança também olha para a outra criança que não tem um sapato bom pra calçar ou uma roupa boa para vestir. A criança se sensibiliza quando vê que uma outra criança,  que poderia completar a quantidade que falta numa brincadeira, não pode brincar porque precisa trabalhar. Uma criança se sensibiliza pela criança que tem a infância tomada, quando tudo que ela deveria fazer era estar na mesmo lugar brincando de rodar, correr, de salvar a princesa nos joguinhos de videogame. 

Lembro que deixei cair uma lágrima teimosa quando assisti ao Criança esperança uma vez e vi imagens de crianças passando fome e com um olhar triste. Minha mãe me disse "não se preocupe agora, só se solidarize" porque como dizem a criança de hoje é o adulto de amanhã, por isso é tão importante abraça-la para que ela abrace, dar amor para que ela espalhe amor, praticar a humildade para que ela seja humilde depois, educar da maneira mais justa para que o ser criança seja o ser adulto capaz de passar adianta a educação e a vontade de fazer bem ao próximo mais tarde.

Feliz Dia das Crianças!

XOXO,
Diih




4 comentários:

  1. Dih! Que lindo de ver como sua infância foi prazerosa. Quando criança, fui criada com 4 meninos, meus dois irmãos e dois primos que vieram morar conosco, e como não havia dinheiro para brinquedos, a gente se divertia do jeito que dava. Lembro de ficarmos ouvindo histórias de lendas do nordeste, que minha tia contava enquanto esperávamos o sono chegar e também de brincar na rua até tarde, fosse de esconde-esconde, fosse de queimada, vôlei ou de rouba bandeira (minha favorita). E apesar de ter aproveitado por um curto período, já que as obrigações chegaram cedo, mas não tenho o que lamentar, ao contrário, ficaram as boas recordações e o sentimento de saudade de uma época onde tudo era mais simples.
    Beijo, beijo e Feliz Dia das Crianças!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi,

    Amei a postagem, a infância é um bom momento da vida, mas as descobertas da adolescência e o que fazemos nesse periodo é muito mais nostálgico de ser lembrado hahaha


    Abraços...

    Www.blogmichaelvasconcelos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Diih
    Linda reflexão. Eu adoro lembrar da minha infância, apesar de ter nascido na cidade capital e não ter roça ou pátio para brincar, mas eu fui muito feliz com meus irmãos e tenho saudades daquele tempo.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Di!
    Que texto lindo, que reflexões maravilhosas! Realmente, como era bom ser criança, como era bom não ter responsabilidades, chegar da escola e só se preocupar em fazer molecagem e não ser pego pelos pais! Sinto tanta falta dos tempos em que não vivia sob a influência de tecnologia, que brincava de amarelinha, esconde-esconde, adedonha e tantas outras brincadeiras!!!
    Abraço!
    apenasumaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"