Oi!
Recebam com carinho essa carta de amor. Estou num momento sentimental e como sempre faço estou dividindo o resultado de um momento como esse com vocês. Espero que se apaixonem, que reflitam, que estejam livres de qualquer julgamento ou  preconceito contra o AMOR.

🌿
24 de setembro de 2005
Para Pedro.

Imagem retirada da internet
Mais uma vez cai na tentação e não consegui não ligar para você. Eu acabei de ligar, Pedro, e eu estou me culpando por isso. Como posso ser tão bobo a ponto de fazer isso nesse dia de chuva pensando que, dessa forma, ele traria um pouco da claridade do sol para dentro de mim? Estou realmente satisfeito por ter escutado aquela gravação me dizendo que o telefone se encontra desligado.
Sei que você tem medo de raios e trovões, e de verdade é esse foi o real motivo que me fez te ligar hoje. Sabe aquela vontade de te proteger?  Era isso que eu gostaria de fazer agora. Liguei porque queria te distrair da chuva e de todo esse barulho que treme o seu mundo, como sempre fiz. E eu juro que por vezes olhei para a porta aqui de casa, imaginando que você entraria por ela correndo, dizendo que não conseguiu ficar em casa sozinho e que precisa dos meus carinhos naquele dia chuvoso. Sinto tanto a falta disso e me decepcionei quando as horas e os segundos foram passando e você não veio. Acho que agora é o meu mundo que balança porque você já tem quem te proteja e estou aqui sozinho, esquecendo de me proteger para não deixar que mal algum te aconteça. Me sinto um tolo por isso.
Mesmo assim eu gostaria de saber, de verdade, Pedro: essa garota cuida bem de você? Ela apoia você nos seus sonhos? Ela aponta uma decisão estúpida que pode te fazer mal futuramente como eu fazia? E na hora do café, ela coloca o açúcar com cuidado para que não haja nenhuma formiguinha que te empeça de bebê-lo?
Eu gostaria de não desejar tudo isso, mas eu só quero que ela esteja cuidando tão bem de você como eu fazia. Você acha, Pedro? Gostaria de saber essas respostas. Não sei porque essa necessidade, mas eu gostaria de saber se você acha que eu cuidava tão bem de você como eu penso ter cuidado. Você acha que cuidei demais a ponto de você rejeitar os meus cuidados um dia?
Eu sei que você certamente me diria que te fiz a pessoa mais feliz do mundo, mas eu não acredito mais nisso. Te acho tão mentiroso agora que suas atitudes são estranhas demais! Ainda que você me diga que não existirá alguém como eu na sua vida, como você me disse tantas vezes, eu não vou acreditar porque você levou embora toda a minha crença em relação a quem você realmente é - na verdade acho que nem você mesmo sabe. E sei que você me responderia com toda a sua ira e diria para eu não me preocupar com você, que eu deveria sentir raiva de você e não querer o seu bem.
Eu posso te dizer que sinto nojo e sinto um ódio terrível de você, mas só às vezes. Eu tenho um sentimento, que se batesse na janela do seu quarto e conseguisse entrar por ela, poderia ferir você de tão forte, porém, não é forte o suficiente para ultrapassar o vidro e te atingir. Então ele enfraquece novamente e eu acredito no ditado que diz que ‘o amor e o ódio andam de mãos dadas’. É por isso que a minha mão ainda reconhece a sua. Não sei até quando porque estou empenhado em soltar as suas mãos de vez, mas ainda não. Não quando você ainda me liga chorando, dizendo que aquela música especial te faz pensar em mim.
Olha, acho que já escrevi demais e essa carta talvez seja uma bobagem ainda maior que a ligação que você não atendeu. Mas espero que você esteja protegido desses clarões e barulhos assustadores, que cantam nessa imensidão sobre nossas cabeças. Eu estou aprendendo a me virar por aqui também. Fique bem. Corra da chuva. Não quero que fique resfriado. E, por favor, não ande descalço porque a sua alergia pode voltar a qualquer momento por conta do tempo. Proteja-se. Eu estou me protegendo de você também agora.

Até um dia, Pedro.

🍃

6 comentários:

  1. Olá, Diego Tudo bem?

    Adorei a carta, e os sentimentos que são expressos à cada palavra adicionada na mesma. Esse tipo de amor e não amor ao mesmo tempo que nos destrutura por completo é tão intenso, não é?

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei tanto que não tenho palavras para elogiar. Já me senti assim um dia também.

    ResponderExcluir
  3. Por bastante tempo tenho me sentido desta mesma maneira e simplesmente não conseguia me expor em palavras; esta carta é definitivamente uma carta sobre minha vida atualmente.
    Muito obrigada Diego!

    Att. B

    ResponderExcluir
  4. Ah, como já diria o poeta, o amor é uma dor :) É um mal que faz bem.
    Eu acho muito engraçado e louco esse lance de sentimento. Sabe quando você conhece tudo de uma pessoa, gosta tanto dela, e do nada tudo acaba e a pessoa vira um estranho ou alguém de quem você sente raiva? É louco como as coisas mudam. Sentimento é uma coisa que não tem regra mesmo. Não existe 1+1=2. Só vivendo pra saber.
    Pelo menos quando tudo passa, ficamos com boas histórias e bons textos como o seu.
    Sucesso.
    Beijo,

    Hida
    www.blogdahida.com

    ResponderExcluir
  5. oooi, tudo bem?
    Quanto sentimento no texto! Você soube expressar muito bem em palavras.

    PROMOÇÃO DOIS ANOS DO BLOG BIO-LIVROS

    ResponderExcluir
  6. A fase da aceitação é sempre complicada.Mas depois de um tempo, tudo volta ao normal e fica bem de novo :)
    Força.

    Beeijõ :)
    http://www.carolhermanas.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"