Mil Corações ~ ~
E um Olá para vocês!

Quem já foi ver Alice Através do Espelho?
Eu fui semana passada ter esse encontro com minha querida e apesar de o filme ser leve demais, fraco demais, é sempre bom ter um momento com “ela”. Fotografia, efeitos especiais e uma mensagem bonita, com um elenco muito bom também. Além de uma mensagem bonita -  embora batida. Mas o texto deixa a desejar.


O longa metragem é baseado no conto Alice Através do Espelho, uma continuação de Alice no país das maravilhas - cuja obra original é de Lewis Carroll -, e trouxe de volta a maior parte do elenco e dos personagens do primeiro filme, lançado em 2010, com direção de Tim Burton e texto de Linda Woolverton. No entanto, assim como no anterior, o roteiro não traz um texto espetacular e o que desperta a atenção são os efeitos especiais, que tomam a cena e encanta.

 Após uma longa viagem pelo mundo, Alice (Mia Wasikowska) volta e reencontra sua mãe. E durante uma grande festa num casarão, onde comparece para tratar de negócios, ela encontra um espelho mágico e atravessa o objeto, indo parar no mundo das maravilhas outra vez. Lá a menina descobre que o Chapeleiro (Johnny Depp) está correndo perigo de vida, tomado por uma grande tristeza que o assola, devido a uma descoberta sobre o seu passado. Mas somente Alice pode salvar seu amigo, para isso a menina precisa conversar com o Tempo (Sacha Baron Cohen) e voltar às vésperas de um acontecimento fatídico e traumático, para só assim mudar o destino do Chapeleiro. E no meio disso tudo ela ainda descobre o que separou as irmãs Rainha Branca (Anne Hathaway) e Rainha Vermelha (Helena Bonham Carter).

Com um elenco espetacular e interpretações satisfatórias, Alice através do espelho chega às telonas dos cinemas impressionando mais com os efeitos especiais do que com a história em si, que não se aproxima em nada do texto rico e complexo da obra original. Engana-se quem pensa que o filme é uma adaptação do conto escrito por Carroll. O longa se encaixa mais na definição de releitura do que adaptação. O filme nos envolve num cenário totalmente diferente do original, apresentando referências com objetos, da história de 1871, que aparecem rapidamente no início da película – me refiro ao jogo de tabuleiro e ao espelho, fiel ao desenho de Tenniell. Se estiver esperando por uma história onde o cenário fica de ponta cabeça e apresenta caminhos contrários, como é visto quando você se vê diante do espelho, é possível que você se decepcione.

No entanto, se estiver esperando por cenas leves, com uma mensagem clichê, muitas cores e figurinos impecáveis você não terá problema algum. Com uma trama voltada para a história do Chapeleiro Maluco, interpretado pelo incrível Deep, você vai se deparar com cenas bonitas, mas nada memoráveis, a não ser a sensação que o filme em 3D causa, como se estivéssemos passando para o outro lado da tela.


A grande novidade do mundo de Alice ficou por conta do novo personagem, conhecido como Tempo, e seus seguidores. Ora um vilão, ora um ser bobo, o personagem carrega em si uma metáfora que envolve o passado, o presente e o que a gente faz com os momentos que nos são dados. E aqui está a grande mensagem do filme, que como já disse é um verdadeiro clichê, mas que realmente merece ser lembrado, principalmente ao público infantil, que marca presença nas salas de cinema: “Você não pode mudar o passado, mas pode aprender com ele”.

Além da lição sobre o tempo, é nítido o destaque dado à importância da família na construção de quem somos e dos amigos, que estão sempre preparados para nos dar as mãos e lutar junto com a gente. E o direito da mulher também é uma questão tratada sutilmente na história, além da antiga lição do primeiro filme, que nos diz que “A única forma de chegar ao impossível, é acreditar que é possível”.

Alice Através do Espelho é claramente um filme infantil, dirigido por James Bobin, e com certeza pode não agradar muito aos adultos por tudo o que já foi dito sobre o texto e o roteiro que não apresenta ação e uma mensagem mais complexa. Mas vale a pena assistir depois de um dia estressante, e conferir a linda produção da Disney.


|Essa crítica é de minha autoria e foi originalmente postada no site CINEMA SIM, para o qual também escrevo. Você pode conhecer o site clicando no link.|

Beijos, minha gente.

6 comentários:

  1. Olá, Diego! Tudo bom?

    Ainda não assistir Alice Através do Espelho, mas quero bastante.
    Achei seu ponto de vista muito válido, vou tentar não ir com tantas expectativas.

    Até mais. https://realidadecaotica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, oi Diego!
    Eu tava bem animada para ver esse filme mas acabei desanimando com ele e escolhendo outro pra ver. Justamente pelos pontos que você falou, me parece que o primeiro foi melhor. Adorei a resenha, não conhecia o site em que você fala sobre filmes, vou dar uma olhada!
    Abraços! ;)
    Borboletas de Papel | Fanpage

    ResponderExcluir
  3. Olar, tudo beleza?
    Nossa cara, eu estava com tanta vontade de assisti-la, agora estou agradecendo mentalmente por eu não ter decidido gastar dinheiro no cinema com ela. O primeiro filme eu gostei, não é aquela coisa que tu chega e fala ' um filme foda' mas é gostosinho de se assistir, fora que a produção encanta muito. Realmente, não tinha como esse ser diferente, e pelo jeito ainda continua com uma historia fraca. Mas de qualquer forma, um dia vou assistir online, quando tiver UHSUSH.
    BEIJU!

    devaneiosbm.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oie...
    Adorei o post!
    Sou muito fã de Carrol, e é claro, que vou assistir esse filme! Gostei bastante do anterior, dirigido por Tim Burton, e pretendo ir ao cinema o mais rápido possível pra assistir esse :)

    Venha conferir nosso novo visual:
    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Diego!
    Eu fui assistir ao filme, nunca li os livros, mas estava curiosa. Curti o filme, as mensagens passadas, mas sei lá, eu esperava mais...
    Adorei saber sua opinião, acho que tivemos as mesmas impressões.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Gosto mesmo das histórias da Alice, mas acho que depois de tantas adaptações, já não me animo mais pra assistir :( quando penso na Alice só lembro agora do clipe da Avril Lavigne pro filme hahaha. Sua resenha ficou ótima!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"