lá, gente!
Hoje é dia de resenha! Uhuuu!!!

Eu li Memória de Minhas Putas Tristes em meu primeiro semestre na faculdade, para um trabalho de introdução das teorias literárias, na época em que o blog estava em último plano, por isso nunca resenhei. Confesso que inicialmente estranhei o título e pensei: mais um livro cheio de passagens sacanas. Mas o meu preconceito inicial foi totalmente partido em pedaços quando li essa obra linda do querido Márquez.


***
Gabriel García Márquez foi um escritor colombiano – mas também era jornalista, ativista, editor e político – que, infelizmente, nos deu adeus em abril de 2014. No entanto, Gabo, como também era conhecido, deixou obras maravilhosas para nós leitores, tornando-se imortal para a literatura. “O amor no tempo do cólera” e “Cem anos de solidão” são duas das mais famosas e aclamadas obras do autor, dentre tantas outras.

Em Memória de minhas putas tristes vamos conhecer um cronista e crítico musical que está prestes a completar noventa anos de idade e quer se dar um presente. Mas não um presente qualquer, ele deseja uma noite de amor com uma adolescente virgem. Então ele se lembra de Rosa Cabarcas, a dona de uma casa clandestina que costumava avisar aos clientes sobre algumas novidades. Mas o senhor que encontramos nessa obra nunca sucumbiu a desejos desse tipo, mas, ainda assim, Dona Rosa não acreditava na pureza dos princípios dele. Um dia ela recebe sua ligação – vinte anos depois – com  um pedido "quase impossível" e decide ajuda-lo. Mas algo acontece com o senhor nonagenário quando ele vê a tão esperada garota dormindo.

“Também a moral é uma questão de tempo, dizia com sorriso maligno, você vai ver.”

Quando comecei a ler esse livro eu nutri certo preconceito - ‘isso é apologia à pedofilia?’, ‘que nome estranho para um livro! -, até que comecei a entender melhor a proposta do Márquez. Narrado em primeira pessoa, o livro é puro amor e discute moral, mas acima de tudo - e sempre -, o tempo para o amor. É uma história com uma ousadia em seu enredo admirável e uma linguagem poética encantadora. Você simplesmente esquece a ideia desaprovadora de um senhor de noventa anos dormir com uma jovem, para se envolver com a pureza do sentimento tão esperado por uma vida inteira que nasceu naquele cenário.

“Havia achado sempre que morrer de amor não era outra coisa além de uma licença poética.”

Memória de minhas putas tristes foi escrito em 2004, inspirado no livro japonês “A casa das belas adormecidas” e publicado em outubro do mesmo ano nos países espanhóis. No Brasil foi lançado em 2005, pela editora Record, com tradução de Eric Nepomuceno.

P.S: pode ser até pecado para a escrita de uma resenha, segundo as normas, mas não consegui listar algo que me incomodou no livro, além do preconceito que nutri inicialmente, mas, como havia dito anteriormente, destruído ao final do livro. Por isso eu indico essa leitura e garanto ser um dos melhores que já li na minha vida.

Encontro vocês logo, logo.

Bjux do Diih .

19 comentários:

  1. Achei bastante bacana o titulo e a ideia da obra. Sua resenha foi super bacana e me deixou com vontade lê-lo. O complicado de autores bons e que já faleceram é que não haverá mais estórias. Gostei bastante.

    devoradores2livros.blogspot.com.br

    Um xero.

    ResponderExcluir
  2. Olá, confesso que quando li o titulo do livro agora também pensei que tivesse sacanagem hahahaha. Não faz muito o estilo de livros que gosto de ler, gosto mais de romances e estou lendo muito livro evangélico já que sou evangélica. Mas gostei da sua atitude de fazer a resenha deste livro. Gostei muito do blog, vou segui-lo. Bjs Alice Matos do http://www.doceeloucaescrita.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Diego! Tudo bem? A primeira coisa que pensei ao ler o título do livro foi justamente isso: "que nome estranho para um livro!", mas fico feliz em saber que você entendeu o que o autor quis passar e gostou da obra. Gosto de livros assim, então fiquei interessado em ler a obra! :) Adorei a resenha!

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gabo é sensacional! Esse é um dos muitos livros que quero ler dele. Ótima resenha!!

    Beijo.
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. nossa, faz tempo que eu não leio nenhum livro, gostei bastante da resenha viu ?!

    http://stroke-of-insanity.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Diego!
    Que título é esse?? Confesso que nunca passaria pela minha cabeça ler este livro, mas fiquei curiosa para saber como o autor tratou essa questão tão delicada. O que será que aconteceu quando o senhor viu a menina dormindo? Fiquei bem curiosa mesmo.
    Acho que é sempre bom ler algo que não estamos acostumados e, o melhor, sermos surpreendidos com a leitura. Gostei da sua dica, apesar do título ainda me incomodar rs.
    Um abraço,

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Esse foi um dos poucos livros que abandonei.
    Acredito que tive os mesmos preconceito iniciais que você.
    Talvez eu deva dar uma segunda chance para essa leitura.
    Abraços!
    SUA ESTANTE
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
  8. Heey!
    Eu tenho muita vontade de começar a ler os livros do Márquez e esse parece ser uma ótima ideia, adorei a premissa e pelo visto é excelente =)
    Abraços!!
    Blog - Desbravando o Infinito

    ResponderExcluir
  9. Nome bem sugestivo rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  10. Nossa, realmente me deixou com uma vontade de ler pra saber o que acontece hahahah devo admitir que ainda estou com um certo "preconceito" mas precisamos tentar né? beijoo
    http://olivroemquehabito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oii, Di!
    Quando eu vi o título pela primeira vez, bateu uma repulsa, vindo daquele preconceito típico. Mas que interessante. Curti a resenha e fique com vontade de ler tanto esse quanto outros livros do autor.
    Abraço
    mundoemcartas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oii Diego! :D Tudo belezinha?
    Cara me apaixonei pela resenha, adoro livros que quebram esteriótipos e que nos surpreendem como Memorias de Minhas Putas Tristes surpreendeu você. Fiquei super curioso sobre o o livro, e já vou anotar aqui na lista de desejados.

    Abraços!

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Gostei da resenha. E estou pensando em ler esse livro. Vc já leu outros do Gabo?
    Beijos
    www.subindonotelhado.com.br

    ResponderExcluir
  14. O pessoal fica com medo de "Putas Tristes", imagina então como ficariam se lessem algo do Marquês de Sade...

    ResponderExcluir
  15. Di,
    pode parecer pecado, mas acredita que nunca li nada de García Marquez? Eu comecei, juro. Mas o livro que ganhei era em espanhol, e autobiográfico, portanto acredito que não era um dos melhores títulos dele para mim: Vivir para contarla (Viver para Contar acho que é o título em português). Capítulos enorme e me deram uma certa preguiça. Abandonei.
    Você me fez ter vontade de conhecê-lo de verdade com essa resenha. Obrigada. Adorei.... E título anotado.
    Bjs*.*
    MaH

    ResponderExcluir
  16. Oi Diego!
    Juro que com esse título só me passou sacanagem na cabeça eheheh
    bjs da Le
    www.leversosecontroversias.com

    ResponderExcluir
  17. Sou fâ incondicional desse gênio, tive a oportunidade de ler no original a maioria de suas obras inclusive um volume que trazia mais de 300 de suas crônicas para um Jornal colombiano, também estive no Centro Cultural inaugurado em sua homenagem em Bogotá há 4 anos, esse cara conseguia traduzir como ninguém a alma do povo latino simples, de certa forma sua visão um pouco surreal e romantizada da miséria humana me lembra Jorge Amado, mas mais melancólico.

    ResponderExcluir
  18. Oi, Diiii, meu amore!

    Olhando apenas o título, realmente, nós tiramos conclusões precipitadas. Eu nunca havia lido sequer a sinopse dele, muito menos uma resenha!
    Eu nunca li nada do Márquez, chega a ser um pecado! Quero começar com Cem Anos de Solidão, pois dizem que é uma leitura que todo mundo tem que fazer!

    Beijo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
  19. Oiii, tudo bem???? O título do livro me chamou a atenção e com certeza eu leria por curiosidade pelo título. Mas pela sua resenha, acho que não leria não. Qualquer tipo de apologia a pedofilia (ou algo do tipo) me enjoa e eu não teria a "mente aberta" para ler algo do tipo. Mas que bom que você gostou =D , quem sabe (só quem sabe) um dia eu leia e mude de opinião.
    Beijos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"