Simplesmente Ana


Imagine que você é uma garota comum que acorda todos os dias numa casa simples, cumpre horário na faculdade e tem liberdade para sair na rua com qualquer uma de suas amigas. Agora vá além e pense no que você faria se, num dia qualquer, recebesse uma mensagem em seu facebook, enviada por um ‘desconhecido’, mais precisamente um Rei, dizendo ser seu pai.

Ana Carenina tem uma vida simples até que leva um ‘baque’ ao descobrir que seu pai é um Rei e quer levá-la com ele para ocupar o legado de futura rainha em seu país. Ela precisa decidir se vai ou se permanece no Brasil com sua mãe e seus amigos. Aqui ela estuda, se diverte com a amiga Estela - a quem confia seus maiores segredos -, tem uma ótima relação com a mãe e a avó, até um paquera. No entanto, no sudeste da Europa Ana vai encontrar um mundo novo e grandes desafios. Será que príncipes existem mesmo? Agora que todas as coisas que Ana pensava existir somente nos contos de fadas estão acontecendo em sua vida, ela poderá viver a realidade desse conto. Basta apenas fazer uma escolher.

A história foi escrita pela queridíssima Marina Carvalho, a quem tive o prazer imenso em conhecer na Bienal do livro, em Salvador (2013). Marina é professora de língua portuguesa e literatura, é também jornalista e mora em Minas Gerais.

A capa do livro é um verdadeiro encanto.  A autora construiu uma história com uma narrativa simples e um discurso bem jovial, o que acredito chamar mais a atenção do leitor e o torna próximo e íntimo do personagem. O ponto fraco do livro está nos clichês que tornaram a história muito comum aos filmes de princesas da sessão da tarde. Contudo, se a história me pareceu muito clichê, a personalidade da Ana surpreendeu. Ela não é tão sensível como as princesas dos contos de fadas e apresenta uma personalidade bem forte e nada fragilizada. Gostei das canções e bandas citadas, assim como aplaudi o apelo e o incentivo à leitura e ao trabalho voluntário.

De modo geral esperava mais da trama. Gostei da narrativa e do discurso da autora, mas como citei acima, os clichês deixaram a história sem graça em boa parte do livro e previsível demais. Para quem gosta de uma leitura descomplicada e leve irá gostar de Simplesmente Ana que, inclusive, já foi lançado o segundo volume da série, chama-se ‘De repente Ana’.

Até a próxima!
Bjux/ Abraços
2014 © Diego França

3 comentários:

  1. De fato, a narrativa "Simplesmente Ana" expõe uma ideia de filmes da sessão da tarde. Mas, que entre muitos, sua escritora é feliz, e se preocupa com uma questão que acho muito forte e difícil encontrarmos hoje, tal sensibilidade nas pessoas. Essa estética é simplesmente pessoal, um algo a mais moldado por sua autora. Que nos propõe a reflexão de sermos sonhadores, mas não deixarmos de construir e reconstruir nossa vida, nossa estória.

    ResponderExcluir
  2. Eu também esperava mais do livro, bem mais, li em seguida que lançou, agora estou com a continuação aqui e mesmo sem grande expectativas vou ler logo, vai que neste ela deu uma melhoradinha né, hehe.

    Beijo, Van - Blog do Balaio
    balaiodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Tenho muita vontade de ler esse livro e outros da autora...
    A capa é realmente linda e quero ler para ver o que acho da história. Adorei a resenha, beijos :))
    minhasecretapoesia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"