Encontro dos amantes


E seguiu voando a menina de vestido arrumado
Foi mais longe a mulher que ajeitou maquiagem
Num lugar qualquer;

E nesses encontros com a vida
Desencontro também conheceu;
Olhos enganosos, fontes tristonhas
Que o amor arrebatou
E tratou de mostrar.

Que há ódio e vazio;
Para a solidão, o chorar;
Um tempo, um caminho;
Um espaço e um lugar.
Pra ser menina e ser grande;
Pra ser perdida e encontrada pelo tão sonhado amante.

Que depois da dor a chama de minha, de vida, de mulher.
E chama de amor e de paixão.
Que pede e sua com um beijo e um abraço;
Que constrói uma vida inteira
A partir de um aperto de mão.

© Diego França 2012 *

0 comentários:

Postar um comentário

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"