Coloquei a minha melhor roupa, escolhi o meu perfume preferido e dei o melhor e mais verdadeiro sorriso. Escrevi a mais doce das cartas de amor, vivi sonhos românticos e chorei assistindo a cena de um beijo. Então lavei o meu rosto, me olhei no espelho e senti os meus olhos brilharem, quando caminhei até a varanda do meu quarto e olhei para as luzes que clareiam lá fora - nada comparadas com as dos meus sonhos e aventuras em Paris- , dei um suspiro, respirei fundo e eu continuo a viver.
Desço as escadas e logo estou lá embaixo vendo pessoas buzinando em seus carros, xingando os piores palavrões e passando despercebidos diante de pedintes e desamparados. Ninguém percebe nem dá atenção, apenas seguem sua vida. Eu continuo andando de coração aberto, pedindo, implorando que exista alguém aqui fora que venha retirar de mim esse olhar vago e triste.
Mais a frente, enquanto caminho em passos curtos, vejo uma mulher passar por mim chorando; Olho para a sacada de uma casa enquanto um casal, aos gritos, grita o fim de sua relação; Olho para um banco na praça e percebo uma descoberta de traição e um coração amargurado; Tento olhar para mim e até consigo. Vejo minhas esperanças jogadas ao chão no banco de um passeio público, numa casa de família e nos olhos de uma mulher triste.
 No desespero, agora em passos mais largos, me pergunto onde vou parar, se é preciso sentir o caos e o desespero de ver as almas gêmeas se desencontrarem, se um dia tudo irá mudar e, mais do que todas as indagações, eu estou me perguntando: “Quem irá salvar meu coração?”



Copyright © 2011 Todos os direitos reservados a Diego França

15 comentários:

  1. Totalmente sem palavras, xará! =O

    Você descreveu, como ninguém, o meu estado atual. Às vezes sinto-me deslocado num mundo onde nada mais dura para sempre, onde nenhum sentimento é verdadeiro e nada mais faz sentido. Tudo é temporário, como uma brisa boba que passa e vai embora, sem deixar nenhuma marca. É triste... e, enquanto não obtemos as respostas, nos agarramos aos livros e filmes que idealizam o amor verdadeiro e inabalável entre duas pessoas...

    Parabéns pelo texto! ^^

    ResponderExcluir
  2. Perfeito viu sobrinho!!

    Quero autografo desse escritor maravilhos !
    Tia Dade

    ResponderExcluir
  3. Muito,bacana..Meu velho...Relatar o amor..Sempre,nos faz refletir...A situação,em que passamos,iremos passar..Ou,imaginemos que iremos passar! Pareçe ser confuso..Não é ? Mas,o amor é isso..CONFUNSO..Só compreende,quem ama verdadeiramente !

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. ...mais qual palavra poderia lhe dizer? Vamos juntar todos os elogios e dizer a ti: único!!O senhor, o qual eu conheço....me deixa fascinado pelas suas palavras!!
    Por: Vitor Mesquita(Tiiinhoow)

    ResponderExcluir
  5. Que legal,um tanto melancólico pro meu ser. mas eu gostei. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo texto, lindo como sempre mano. Abraços.

    http://papeldeumlivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Diego, amei seu blog!!
    Fiquei muito feliz com a sua visitinha lá no blog e estou retribuindo!!!!

    Lindo seu texto, você escreve muito bem, já pensou em escrever um livro? pois deveria viu, tens talento de sobra.
    Bjos e já estou seguindo, voltarei sempre!!

    Jack
    www.mybooklit.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Lindooooooooooooooooooo *--*


    Refletir como nunca mais tinha refletido...


    Perfeito!!!

    ResponderExcluir
  9. Não preciso nem dizer que o que vc escreve é lindo ne? Eu simplesmente adoro! Ai a próxima vez me mostra viu? Vou cobrar.

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Puxa, que relato bacana, Diego. Bastante poético. Assim como quando as pessoas estão apaixonadas e conseguem ver amor em cada casal que avistam, a mesma coisa acontece num fim de um relacionamento (ou numa decepção amorosa).

    Continue escrevendo! Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Quando estamos apaixonados tendemos a enxergar só as coisas bonitas do amor, o feio nos passa batido diante dos olhos, quiçá do coração.
    Quando sofremos alguma desilusão - momento que vem geralmente logo após a fase da paixão avassaladora -, tiramos a nuvem que encobria os olhos, e nos deparamos com uma realidade triste e desesperançosa. A realidade de que não fomos ensinados a amar, e que por isso, não saibamos lidar com as dificuldades que vem junto com o amor, o que ocasiona os fins de relacionamentos vistos antes como perfeitos...
    O problema está aí. Sempre queremos o que não existe. E não é do amor que estou falando, ele existe sim, mas não perfeito como muitas vezes idealizamos. Na maioria das vezes ele vem num formato que foge do padrão idealizado por nós. E por não termos traquejo para manuseá-lo, o descartamos pondo a culpa em sabe-se lá Deus o quê!
    Acho que deveríamos passar a tomar aulas de Educação Sentimental na escola. Se bem que eu tenho aprendido entre acertos e reprovações na escola da vida mesmo...
    O texto tá lindo Dihh, como sempre. Ele me fez refletir sobre essa questão da falta de Educação Sentimental que enfrentamos. Obrigado mais uma vez pelo alimento... minh'alma agradeçe!!!

    ResponderExcluir
  12. Muito bom, já é possível nos fazer viajantes dentro do texto... além de lindo!

    ResponderExcluir
  13. Adorei o texto Diego, como sempre muito bom!

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"